Crítica: 4×09 de Riverdale nos faz questionar “o que aconteceu?”

Episódio 4x10 de Riverdale

O que aconteceu com Riverdale?

No mais recente episódio de Riverdale tivemos tanta informação em tão pouco tempo, que ainda me pergunto isso… O que realmente aconteceu?

Continua após a publicidade

Não é de hoje que a série vem abordando assuntos pouco convencionais, entretanto, tudo está cada vez mais bizarro. Não falo isso no sentido de instigar vocês a desistirem da série, muito pelo contrário. Acho que é realmente essa loucura que nos faz apegar tanto assim com os personagens. Às vezes, isso nos faz esquecer a própria loucura de nossas vidas… Mas não estou aqui pra filosofar, então vamos ao episódio!

Antes de mais nada, precisamos falar sobre Veronica Luna. Tudo bem que ela é uma personagem empoderada, que vai contra tudo e todos para conseguir o que quer, que tem isso no sangue por ser uma antiga Lodge, mas, não tem necessidade de repetir o plot da garota há quatro temporadas. Essa coisa de ir contra os planos do seu pai e jogar tudo na cara dele já deu há um tempo. Tá passando da hora de começar a colocar suas cartas em jogo sem revelar seu plano. Suas atitudes não estão condizentes com a personalidade que querem realmente nos passar.

O final de uma loucura para o início de outra

Finalmente, colocamos um fim na história dos Blossom, pelo menos é o que pensamos. Por mais que muitos acreditavam ser Toni a mente por de trás das loucuras da mansão, tivemos a grata “surpresa” de saber que Penelope estava por de trás de tudo. Achei interessante finalmente darem um desfecho digno ao luto de Cheryl sobre o irmão, uma vez que tudo já estava ficando forçado demais. Contudo, a genética sempre fala mais alto e a loucura é algo que vem de berço. Quando tudo parecia caminhar para a normalidade, eis que decidem incrementar o plot de Betty.

Por mais que a série ainda vingue pelo ponto de loucura, às vezes os roteiristas extrapolam. Colocar uma palavra tão não usual como Tangerina para ser o gatilho de assassinatos é algo totalmente inesperado. Pior de tudo é nos fazer acreditar que esse “método” de terapia com ela tirando sua parte obscura daria em algo. Todos devem logo aceitar e abraçar essa informação: a protagonista loira de olhos azuis não é tão boa pessoa assim. Na verdade nenhum de nós é, todos guardamos um pouco da obscuridade que faz o equilíbrio de nossa consciência…

Imagem: CW/Divulgação

De onde sai tanto parente??

Vocês já fizeram essa pergunta também? Do nada, Riverdale surge com um novo personagem tirado dos confins da terra para dar uma movimentada na trama. A irmã de Veronica foi um belo exemplo da temporada. Agora, temos o tio de Archie. Tudo bem que, em um primeiro olhar, ele vem como uma figura paterna que o garoto está necessitando no momento – uma visão um tanto quanto machista pois a mãe dele tem todo o suporte e bagagem para centrar o personagem em seus objetivos. Enfim, esses surgimentos repentinos e inesperados, às vezes, traduzem certos problemas de abordagem da série, não dando muito tempo para que consigamos digerir as informações.

Querem um outro exemplo? O plot de Jughead mesmo introduziu diversas pessoas dentro de Stonewall e simplesmente não evoluíram os personagens. O desaparecimento de Moose foi jogado para escanteio; a morte de Mr. Chipping não foi investigada – o que eu acho que pode ter relação com um plano do clube Quill and Skull onde Jughead foi iniciado no último episódio. O fato é que essas informações soltas levam a uma descontinuidade da trama que por muitas vezes nos deixam atrapalhados em informações.

Com o trailer do próximo episódio, que vai ao ar apenas em 22 de Janeiro, conseguimos ter uma noção de que, finalmente, irão colocar seus plots para convergir. Está mais do que na hora de nossa equipe trabalhar em conjunto, principalmente com esse mistério da morte de Jughead tão próximo. Analisem atentamente os detalhes da promo e aguardo vocês após esse breve recesso com mais uma review de Riverdale.

Um grande abraço e até lá…

Nota do Episódio8.5
8.5
Tags Riverdale
Lucas Franco

Lucas Franco

Mineiro, Escorpiano, 20 Anos, Estudante de Medicina. Direto do Arkham Asylum para o Mix. Eterno fã de Chuck, E.R. e Friends (RIP). Por entre as madrugadas vive a dualidade dos estudos e das séries. No Mix, escreve as reviews de Quantico, The Good Doctor e Legends of Tomorrow.

No comments

Add yours