Crítica: Emoções foram à flor da pele no episódio 6×11 de The 100

Um episódio cheio de ação, emoção e tomadas de decisões em The 100

Ashes to ashes” foi o episódio desta semana de The 100. O título, que tem como tradução “Cinzas às cinzas” faz com que mergulhemos ainda mais na ideia da imortalidade.  Nossos queridos protagonistas foram salvos da morte, dando novamente a esperança aos Primes de trazerem seus entes queridos de volta à vida. Isso, mais uma vez, recriando sangue da noite. A pergunta que ficou na semana passada era se eles realmente o fariam.. Portanto, aqui temos uma resposta alta e clara. Maddie teve sua medula óssea drenada em prol da imortalidade que os Primes tanto idolatram.

Continua após a publicidade

Hesitação é morte…

A ideia de imortalidade para os Primes ultrapassa quaisquer barreiras lógicas e éticas. Assim, é possível ver Rusell escolhendo Echo para ser a nova Simone. Ela, que fora acusada injustamente por Ryker por seus atos – tendo espalhado ao povo de Sanctum que os Primes não eram deuses. Porém, tal ato fora cometido por Ryker, o Prime mais insuportável e confuso da série, que uma hora quer rebelar-se e na outra ocupa o pódio ao lado dos demais Primes.

Desta forma, vimos Echo apelar para que Ryker não a matasse. E mesmo após ter visto seu sangue negro escorrer, o Prime hesitou. É aí que voltamos ao passado de Echo e compreendemos que seu nome verdadeiro é Ash. Ela mesmo, ainda muito pequena, precisou matar uma amiga para evitar ser morta, tomando seu lugar em uma missão como espiã. Desde então, Echo tomou para si o nome. Para nosso alívio, Gaia chega para resgatá-la evitando sua morte. Ela, então, mata Ryker, pois, se ela hesitasse assim como ele o fez, teria sido seu fim, ainda como Ash no passado.

Echo mais uma vez mostrou sua garra, e preciso admitir que é uma personagem incrível. Bem como tendo um crescimento e amadurecimento notável. Fez amizades, amores e considera muitos do grupo como família agora, algo que jamais imaginaríamos no passado. Agora como sangue da noite, não é possível adivinhar que rumo tomará na série. Além disso, o olhar de Gaia para seu sangue negro me diz que algo está por vir.

OBS: Se antes já era fã dessa mulher, agora ganhei meu selo de Superfã!

Emoções a flor da pele…

A verdade sobre a identidade de Gabriel finalmente foi revelada, e seus seguidores não aceitam bem o fato de terem sido enganados por uma década. A irmã de Xavier, principalmente. Porém, com o tempo correndo contra si, Bellamy precisa orquestrar um plano para salvar o seu povo, que segue preso em Sanctum. E sua ideia é criar uma bomba de toxina do sol vermelho, assim criando o caos. Enquanto ele salva seu povo, os filhos de Gabriel podem adentrar em Sanctum e cumprir seu objetivo, matar os Primes.

Vemos aí então uma objeção ao plano de Bellamy, que causará uma nova matança. Porém, não vinda apenas de Clarke bem como de Octavia também. Portanto, em busca de sua redenção, ela quer agir diferente de quando se intitulava Bloodreina. Clarke sugere retornar a Sanctum como Josephine, para libertar seu povo e evitar muitas mortes.

Aproximação de personagens é destaque

Fonte: CW /Divulgação

Preciso mais uma vez admitir que o crescimento das duas tem sido lindo de ver. Assim, dando adeus à época de guerra, massacres… Nada de atirar primeiro e depois pensar. Logo, Clarke e Octavia vem fazendo uma bela caminhada. Além disso, a aproximação das duas personagens também é algo que me agrada muito, e espero que como tempo o enfoque nessa relação e neste crescimento seja ainda maior.

Em meio a isto, vemos Bellamy e Octavia tendo sua primeira conversa após todo caos. A garota tem sua chance de pedir perdão e, apesar de tudo, Bellamy a revê como irmã, mesmo não se arrependendo de tê-la deixado para trás no passado. E vamos combinar, tal abandono a fez olhar para si de forma a compreender que era preciso mudar, era preciso se perdoar primeiramente.

Os guardas de Sanctum chegaram na tenda de Gabriel, e Clarke precisou agir. No entanto, como se ainda fosse Josephine, ela retorna aos braços de Rusell, finge sentir a morte de Simone e passa a compreender que seu povo – mais uma vez – oferecera um modo de criar novos sangues da noite. E o baque vem quando ela vê Maddie na maca, tendo sua medula óssea drenada. Seria possível ainda salvar a pequena Maddie, não apenas disto, mas também da possessão por Sheidheda? Será que Clarke conseguirá, além de salvar Maddie, salvar seu povo dos Primes?

Tais perguntas terão de ser respondidas nos próximos dois episódios, que é o que ainda teremos desta temporada incrível. Muitas outras perguntas e questões em aberto precisarão ser tratadas. Dyioza realmente morreu? Josephine voltará? O povo de Sanctum se rebelará contra seus falsos deuses? O que é a Anomalia e o que ela fez com Octavia?

Enfim, comentem comigo suas teorias e até semana que vem aqui no Mix de Séries.

Nota do Episódio9
Crítica do episódio 6x11 de The 100, "Ashes to ashes".
9
Tags The 100

No comments

Add yours