Crítica: Wesley Cole ganha um novo romance no 3×08 de Lethal Weapon

Imagem: IMDb/Divulgação

Continua após as recomendações

Um episódio realista, que me fez pensar que saberia o que iria acontecer, mas que me deixou surpreso no final! Lethal Weapon mandou muito bem dessa vez!

Depois do rolo entre Cole e Natalie, eu realmente fiquei esperançoso de que Lethal Weapon ganhasse mais um romance. A surpresa foi que os fatores deram tudo para nos fazer acreditar que daria certo. Cole amadurecendo, pensando mais nos que estavam ao seu redor, tanto que até construiu uma relação com a própria filha. Natalie com disposição para largar o atual e viver com seu primeiro amor… Estava tudo indo muito bem para o agente, se não fosse a intromissão de Elliot, com aquela coisa de “seja mais romântico!”.

Romances em alta!

No final das contas, apesar de ter sido surpreendido, até que gostei de como tudo terminou. Por mais que desejasse que eles voltassem, não seria justo com o atual namorado, agora noivo, de Natalie. Muita coragem dele ter ido enfrentar o Cole no departamento. Fiquei muito admirado da determinação de Andrew. Isso mostra muito do amor que ele sente pela Nat. Falando de um jeito extremamente positivo: Eles se merecem!

Continua após a publicidade

Ainda na parte do romance, achei muito reveladora aquela cena da discussão de Roger e Trish na frente das amigas dela. Murtaugh é um cara tão paizão e cuidador, mas não sabe enxergar os limites das relações, querendo sempre estar no controle as coisas.

Será que o intérprete de Murtaugh é assim na vida real também? Ocorreu-me que, talvez, tenha sido esse o motivo do ataque de estrelismo de Wayans no final da temporada anterior. Talvez ele quisesse ter toda a situação sob controle. Daí não aguentou o brilho de Clayne na série e fez o que fez. Eu admirava muito o Wayans, principalmente, por ter crescido assistindo “Eu, a Patroa e as Crianças”. Mas agora, em Lethal Weapon, mesmo sendo um, ele é só mais um para mim. Pronto, já terminei de desabafar, voltemos à trama.

Um novo amor para Wesley Cole

Assim que aquela moça apareceu, já imaginei que ela atrapalharia a volta de Cole com Nat. De certa forma, Erica Malick até fez isso, mas não como eu imaginava. Ter incluído a dupla mortífera (se é que podemos chamá-los assim) na investigação que ela estava, acabou trazendo sérias consequências a Cole. Mas não diria que más consequências, porque isso introduziu uma personagem que pode trazer grandes contribuições para o elenco. Como há essa tensão entre Avery e a mãe da Erica, talvez essa relação possa ser explorada ao longo dos próximos episódios.

Personagens esquecidos e a possível falha no roteiro do episódio

Não sei se vocês também perceberam, mas sinto que a série tem deixado de lado os personagens coadjuvantes da série. Um exemplo disso é o nosso legista, Scorsese. Tenho sentido falta de mais conversas profundas dele com Murtaugh. Outra pessoa que não dá as caras desde o começo da série é a Dra. Cahill. Espero que ela não esteja na geladeira. Uma personagem como ela não pode deixar a série assim, sem mais nem menos.

Imagem: Warner Channel/Divulgação

Um ponto que não posso deixar de mencionar é sobre a cena de perseguição que ocorreu nesse episódio. Não sei vocês, mas eu achei muito estranho ver todos os semáforos vermelhos no sentido contrário à direção dos carros. Não sei se é costume nas ruas de L.A, mas faria mais sentido se os faróis ficassem voltados para os motoristas, não é mesmo? O que vocês acham que pode ter ocorrido para deixarem passar um detalhe desses?

Até a próxima!

Albert Moura

Albert Moura

Jornalista e seminarista, além de pai de primeira viagem. Casado com a Ana, mas amante das séries. Atualmente acompanha Outcast, Better Call Saul, American Gods, Lucifer, Gotham, o universo Marvel, Arquivo X e mais algumas, além de também ser um eterno fã de Friends. No Mix, escreve sobre Preacher e Lethal Weapon.

No comments

Add yours