O motivo que fez Bridgerton melhor do que The Witcher e Stranger Things

Há uma razão para Bridgerton ter feito mais sucesso na Netflix do que The Witcher e Stranger Things.

Bridgerton melhor que The Witcher
Continua após publicidade

Bridgerton teve um incrível desempenho na Netflix a ponto de se tornar pauta de uma recente reunião de acionistas da plataforma. O sucesso é tão grande, que ela ficou mais popular até do que Stranger Things e The Witcher. Mas por que isso aconteceu? Um recente artigo no ScreenRant trouxe uma interessante análise. E assim, explicou porque Bridgerton foi melhor que Stranger Things e The Witcher em seu desempenho.

Continua após publicidade

Em agosto de 2017, a Netflix assinou um contrato de vários anos com Shonda Rhimes e sua produtora ShondaLand. Um contrato que supostamente custou à gigante do streaming US$ 100 milhões. Essa não era apenas uma forma de adquirir ótimo conteúdo, mas também servia como um sinal para a indústria. Eles estavam certos em seu desejo de adquirir alguns dos melhores talentos do ramo.

Aparentemente, Shonda Rhimes compensou o seu contrato. A Netflix de forma tradicional é relutante em divulgar detalhes sobre o desempenho de seus vários filmes e programas de TV. Mas o co-CEO Ted Sarandos apresentou alguns dados interessantes na Code Conference 2021.

Continua após publicidade
Continua após publicidade

É muito cedo para dizer – é necessário olhar para essas coisas ao longo de muitos anos“, começou ele, como se evitando responder às perguntas sobre Rhimes, antes de revelar que o negócio já teria valido a pena apenas com Bridgerton.

Bridgerton melhor que The Witcher
Imagem: Divulgação.

Bridgerton valeu o salário de Shonda Rhimes

A fala de Sarandos seguiu alguns dados que confirmavam que a 1ª temporada de Bridgerton acumulou 625 milhões de horas de exibição nos primeiros 28 dias. Tudo isso, em contraste com 582 milhões para a 3ª temporada de Stranger Things. E ainda, 541 para a 1ª temporada de The Witcher.

Continua após publicidade

Leia também: Shonda Rhimes dá triste notícia sobre o Duque em Bridgerton

No curto prazo, então, Bridgerton fez ainda mais sucesso do que Stranger Things e The Witcher. Embora análises de terceiros sugiram que provavelmente não é o caso a longo prazo. Isso porque Stranger Things ainda é identificada como a série original digital mais procurada em todo o mundo.

Continua após publicidade

A demanda por dramas de época tem crescido nos últimos anos, como podemos assimilar pelo sucesso de Downton Abbey. Igualmente, a chefe de TV global da Netflix, Bela Bejaria, também apontou à Vanity Fair para a ascensão de “gêneros descaradamente românticos como dramas coreanos“. Todos eles, dessa forma, seriam precursores para Bridgerton.

Continua após publicidade
Bridgerton melhor que The Witcher
Imagem: Divulgação.

Mas Bridgerton parece de fato ser o maior sucesso da Netflix de todos os tempos. Atuando em uma escala nunca vista antes. Claro, ela pode ter se beneficiado do tempo; o romance de período fumegante surgiu no final de um ano difícil, exatamente quando os espectadores estavam ansiosos para escapar para uma versão fantástica e ficcional da Londres regencial.

Continua após publicidade

Bridgerton e o sucesso na Netflix

Mas embora Bridgerton se inspire nos romances populares de Julia Quinn, Shonda Rhimes e sua equipe fizeram a série da sua maneira. Elas tiveram o cuidado especial de introduzir um elemento de diversidade na história britânica, acrescentando uma trama importante envolvendo a Rainha Charlotte. Esta, que pode muito bem ter sido a primeira Rainha Negra da Grã-Bretanha.

Continua após publicidade

Leia também: Bridgerton revela a primeira cena da 2ª temporada

Isso permitiu a Bridgerton reunir um elenco diversificado e impressionante, incluindo Regé-Jean Page como Simon Bassett, Adjoa Andoh como Lady Danbury e, claro, Golda Rosheuvel como a Rainha Charlotte. A personagem, aliás, irá estrelar seu próprio spin-off, e claramente essa diversidade realmente funciona.

Além do mais, embora este seja um drama de época, também parece incrivelmente contemporâneo; há um tom agudo nos comentários de Bridgerton sobre raça, enquanto a trilha sonora instrumental tocavam músicas de Ariana Grande e Taylor Swift.

Essa abordagem amplia o número de potenciais espectadores que Bridgerton pode atrair de forma massiva, porque a série Netflix não se encaixa adequadamente em qualquer caixa de gênero.

Bridgerton melhor que The Witcher
Imagem: Divulgação.

Mas o verdadeiro motivo para que a série virado um fenômeno

Há um fator final a ser considerado, porém, que a Netflix precisa lembrar: o marketing. A gigante do streaming tem sido frequentemente criticada por não conseguir propagar de forma comercial suas diversas séries. Mas – talvez em parte porque o negócio com Shonda Rhimes foi muito caro.

A Netflix se esforçou muito para fazer o marketing de Bridgerton (e a segunda temporada parece seguir essa tendência). A mídia social foi inundada com entrevistas, discussões sobre moda e música, cenas de bastidores e coisas do gênero. O que significa que as pessoas que estavam viciadas em Bridgerton poderiam facilmente passar muito tempo discutindo isso – especialmente no Facebo*k.

Essa conversa na mídia social foi provavelmente ainda mais importante durante a pandemia, quando as pessoas não estavam tendo tantas conversas pessoalmente. Então era mais difícil construir um boca a boca positivo sobre a série.

A Netflix descobriu que o marketing funciona, e Bridgerton é a prova disso.

Criador do Mix de Séries, atua hoje como redator e editor chefe do portal. Especialista em SEO e construção de textos para internet, também atua como webwriter com foco em textos para o Google. Autor na internet desde 2011, passou pelos portais TeleSéries e Box de Séries. Fã de carteirinha de Friends, ER e One Tree Hill, é aficionado pelo mundo dos seriados. Também é fã de procedurais, sabendo tudo sobre o universo das séries Chicago, Grey's Anatomy, e séries de sucesso como La Casa de Papel e Lucifer. Também é fã da DC Comics, e acompanha produções inspiradas em personagens da editora, como Titans e até o mais recente produto da editora, Sweet Tooth.