American Horror Stories é um fanservice que não funciona

Critica American Horror Stories

Como fã de American Horror Story e das produções do Ryan Murphy em geral, eu recebi a notícia de que a série ganharia um spin-off – American Horror Stories – com muito entusiasmo. Mas como uma série antológica ganha um spin-off? Reforçando essa antologia. Mas agora, ao invés de uma história por temporada, teremos uma história por episódio. Eureka! Pensei. Afinal, temos aqui a oportunidade de contar histórias incríveis, mas que não teriam material o suficiente para sustentar uma temporada inteira.

Continua após publicidade

Aqui teremos novos personagens, novas histórias e novas formas de nos assustar, certo? Não necessariamente. E aí levei a minha primeira rasteira…

Quando American Horror Stories entrou em produção, como sempre, começaram a surgir informações sobre o elenco, a história e as suas tramas. Para a minha surpresa, foi noticiado que alguns episódios se passariam na Murder House (tema da primeira temporada) e, ainda que não fosse confirmado de forma oficial, antigos personagens como Tate e Violet retornariam. Fiquei com receio! Considerando as notícias a chance de vermos mais do mesmo era muito grande, mas ainda assim, se os produtores decidiram utilizar essa série como forma de expandir a mitologia da “série mãe”, vamos ver no que vai dar. E deu tudo errado (pelo menos por enquanto)!

Continua após a publicidade

O que não funciona em American Horror Stories?

Sinceramente, basicamente tudo. Não temos aqui nenhum tipo de expansão da mitologia que a série possui até agora. Temos muita coisa repetida que já sabemos e “ressabemos”. E até mesmo uma certa descaracterização do que tínhamos visto agora, como por exemplo essa questão do Rubber Man (aqui, no caso, Rubber Woman) “possuir” a pessoa. Tudo é reciclado, até mesmo a personalidade dos personagens. Tudo é mais do mesmo. Sabemos como a Murder House funciona, sabemos que quem morre lá fica por lá, sabemos que os fantasmas somente podem deixar a casa no Halloween. Sabemos de tudo isso. E tudo isso é reciclado aqui.

Continua após publicidade

Sabendo de tudo isso, se fosse uma reciclagem para contar uma boa história, uma história que vale a pena, tudo bem eu não reclamaria tanto. Mas não é o caso. A história de American Horror Stories é um porre! Temos aqui um drama adolescente aguado, uma trama desinteressante e marcado por um elenco ruim. Sério, eu não me recordo de qualquer episódio de AHS que eu já assisti que tenha um elenco tão sofrível. Juntando tudo isso, temos uma série ruim, esquecível e que se apoia, exclusivamente, no fan service.

Imagem: Divulgação.

Os produtores imaginaram que pegando tudo aquilo que os fãs gostam e conhecem, eles fariam uma série nova e a audiência enguliria, considerando isso. Tipo as séries da Marvel, sabe? Usa os elementos da sua base, não traz nada de novo, não leva a história pra frente, não adiciona camadas a sua mitologia e ainda assim faz sucesso, afinal os fãs “se sentem em casa”, como todo bom fan service. A diferença aqui, é que por mais apaixonante que o universo AHS seja, eles não são a Marvel.

Continua após publicidade

Conclusão

American Horror Stories é decepcionante. Suas atuações são robóticas, sua direção é burocrática e o seu roteiro é quase inexistente. É uma clara tentativa de lucrar em cima da franquia, sem nenhum tipo de esmero ou polimento. Espero MUITO que os seus próximos episódios sejam melhores. Do contrário, o legado dessa nova série será esquecimento, decepção e vergonha.

Nota: 1/5