Crítica: A Mulher do Viajante no Tempo é boa, mas nada além disso

Inspirada no livro de mesmo nome, A Mulher do Viajante no Tempo até vale a maratona, mas é uma série "nada demais".

A Mulher do Viajante no Tempo

Confesso que nunca li o livro The Time Traveler’s Wife, de Audrey Niffenegger, então talvez por isso não fiquei tão empolgado quando a HBO anunciou que faria uma minissérie com base na história. No Brasil, com o título A Mulher do Viajante no Tempo, a série está disponível no catálogo do HBO Max e é gostosinha de acompanhar. Só que é uma série “nada demais”.

Continua após publicidade

Com duas estrelas que compartilham uma ótima química em tela, Theo James e Rose Leslie carregaram a trama de seis episódios nas costas, diante de um roteiro que escorrega entre o agradável e o entediante.

Quem foi com muita sede ao pote, não gostou da série logo de cara – principalmente os fãs dos livros. Mas quem se manteve até o fim encontrou em A Mulher do Viajante no Tempo um título confortante.

Continua após publicidade

De volta para… qualquer lugar do tempo

A Mulher do Viajante no Tempo
Imagem: Divulgação.

Em A Mulher do Viajante no Tempo, Henry DeTamble (Theo James) é o viajante que dá título a série. E como é de se esperar, ele tem uma espécie de poder de viajar no tempo. Mas ele se limita a apenas sua vida – ou alguns anos dela. Além disso, Henry não pode controlar quando viaja, e pode desaparecer a qualquer minuto, podendo ficar as vezes segundos fora, ou às vezes meses.

Outro detalhe é que ele sempre viaja nu, precisando muitas vezes roubar roupas para sobreviver. Clare Abshire (Rose Leslie) é a esposa no título e não tem poderes, então, ela vê Henry como um homem mais velho em seu passado e como um homem mais jovem em sua vida atual. 

Ela conhece algumas partes da história de Henry, mas não sabe como seu próprio futuro se desenrolará. A amizade e/ou vínculo romântico entre eles é o que impulsiona a história versus explorar outros mundos ou alterar a história.

Continua após publicidade

Leia também: A Mulher do Viajante no Tempo: história, elenco e tudo sobre

É um plot interessante, sem dúvidas. Mas acredito que a série tem uma engrenagem lenta ao trabalhar nele.

A Mulher do Viajante no Tempo mais entedia do que agrada

Imagem: Divulgação.

Durante os seis episódios, a série vai abordando a vida de Henry e Clare juntos, embora eles estejam separados às vezes por anos ou décadas. Mas uma coisa é certa: eles vão se casar e ficar juntos no final. Só que nesse meio tempo muita coisa vai acontecendo, com Henry praticamente acompanhando tudo de fora.

Quando se trata de abordar viagens no tempo, uma trama precisa saber trabalhar esse elemento, que por vezes pode ser um trunfo, ou então, um buraco que a história vai se afundar. A série da HBO fica no meio termo, porque ao mesmo tempo que o fardo de Henry traz densidade para a trama, em outros momentos acaba tornando-se obsoleta e vazia, sem qualquer apelo.

Continua após publicidade

Também nunca entendemos se podemos compreender a história a partir da perspectiva de Henry ou de Clare, ou de ambos, uma vez que o roteiro vai e volta, sem definir de fato em quem o espectador precisa se espelhar.

Com isso, muitos podem achar a história de A Mulher do Viajante no Tempo entediante. Mas é porque de fato ela é.

Série engrena no final…, mas acaba vazia

Dos seis episódios, o quatro e o cinco são sem dúvidas os melhores. E, quando você chega ao final, acaba ficando com um sentimento de que quer descobrir mais sobre eles. E o motivo disso é que A Mulher do Viajante no Tempo não tem bem um final concreto. Um dilema no último episódio acaba sendo inserido, mas vemos o casamento deles, e algumas reviravoltas que fazem sentido.

Só que a sensação de ciclo fechado não acontece aqui. Por isso, a série vai dividir os espectadores. Alguns vão gostar, outros não.

Embora confusa, A Mulher do Viajante no Tempo se esforça para ajudar o espectador a limitar os marcos temporais. Além das informações da idade, há também um intenso trabalho de maquiagem, figurino entre outros, que explicam em que linha temporal a história está. Mas, no meio do caminho, os espectadores que gostam de tramas lineares podem descobrir que a série da HBO não é para eles.

Como dito, tanto James quanto Leslie estão bons em seus papéis, mas sofrem com um roteiro que se perde no que quer fazer. Então, no fim das contas, essa foi uma série que não disse a que veio e nem vai deixar sua marca na TV. O que é uma pena!

Nota: 2.5/5

Criador do Mix de Séries, atua hoje como redator e editor chefe do portal. Especialista em SEO e construção de textos para internet, também atua como webwriter com foco em textos para o Google. Autor na internet desde 2011, passou pelos portais TeleSéries e Box de Séries. Fã de carteirinha de Friends, ER e One Tree Hill, é aficionado pelo mundo dos seriados. Também é fã de procedurais, sabendo tudo sobre o universo das séries Chicago, Grey's Anatomy, e séries de sucesso como La Casa de Papel e Lucifer. Também é fã da DC Comics, e acompanha produções inspiradas em personagens da editora, como Titans e até o mais recente produto da editora, Sweet Tooth.