Crítica: Mesmo sem capricho, Waco é provocativa e ótima televisão

Imagem: Paramount Network/Divulgação
Imagem: Paramount Network/Divulgação

[spacer height=”20px”]

Continua após publicidade

É história que você quer?

Quando a Viacom anunciou que transformaria o Spike no Paramount Network, pensei que o assinante de TV a Cabo dos Estados Unidos ganharia mais um canal de filmes antigos, algo na linha da TCM. Felizmente, estava enganado. Para o lançamento da nova emissora, escolheu-se seguir com a fórmula mágica da programação original. Confesso que me surpreendi quando soube que o primeiro projeto seria uma minissérie sobre o Cerco de Waco. Um dos eventos mais controversos da década de 1990, mas que entrava na linha de manifestações anti-governo da época.

Continua após a publicidade
Imagem: Paramount Network/Divulgação

A sequência de terrorismo doméstico foi: Ruby Ridge em 1992 em Idaho; Cerco de Waco em 1993 no Texas; atentado de Oklahoma City, em Oklahoma, em 1995 e por fim a prisão do Unabomber em 1995 após décadas espalhando terror por diversos estados. Todos os eventos promoveram fatos curiosos em Washington D.C.. O primeiro deles foi a reputação abalada do FBI, uma vez que diversos erros foram cometidos durante as operações. Já a segunda veio quando Bill Clinton declarou que a “era do estado grande acabou” durante o memorável State of The Union de 1996.

Continua após publicidade

Assim como a década de 1960, a de 1990 também mudou os Estados Unidos de uma forma profunda. Seja pelos acontecimentos que levariam ao 11/09, pelo terrorismo doméstico e até mesmo pelo escândalo sexual com Monica Lewinsky. A boa notícia é que na era de ouro da televisão, temos a possibilidade de ver como que Hollywood adapta essas histórias para TV. No caso de Waco, temos algumas inconsistências com o que realmente aconteceu, mas lembro-lhes que essa minissérie foi baseada num livro e consequentemente o comprometimento é com a obra.

Quanto ao elenco….

Confesso que a escolha de Taylor Kitsch para interpretar o protagonista me deixou surpreso. Ele não tem uma filmografia muito qualificada com Battleship John Carter, mas quer saber? Ele entregou o melhor trabalho da sua carreira, sem dúvida. Entregou o nível emocional e as nuances que o personagem pedia, foi convincente e realmente espetacular nos momentos corretos. Acredito que a direção não soube dosa-lo com o restante do elenco, ofuscando nomes como Melissa Benoist, cuja performance foi um tanto quanto mediana.

Continua após publicidade

Michael Shannon foi outra grande surpresa. Sei que ele está trabalhando muito ultimamente em televisão e cinema, porém todos com a qualidade de sempre. O ator transformou um personagem médio em alguém importante e relacionável, que mesmo cometendo erros e tomando decisões que você e eu não provavelmente não concordamos, conseguíamos entender as suas razões e o porquê daquilo ou daquele outro. Vale ressaltar que o verdadeiro Gary Noesner, autor do livro que inspirou a minissérie, foi uma figura menos controversa daquela que a produção sugeriu.

Mesmo com orçamento baixo em razão da pouca certeza de que Waco daria certo, penso que a produção poderia ter sido bem mais caprichada. Quem sabe um fotógrafo melhor para compor uma cinematografia que remetesse à iluminação natural do Texas rural. Ou até mesmo editores com mais comprometimento na continuidade uma vez que muita cenas mostraram-se um tanto defeituosas nesse quesito.

Não acredito que essa minissérie possa se tornar um grande título para temporada de prêmios. Como disse antes, precisava de mais capricho nas questões técnicas. Todavia é sempre muito bom quando temos a oportunidade de aprender com a ajuda do entretenimento. Não concorda?

Meu nome é Bernardo Vieira, sou catarinense e tenho 24 anos. Sou bacharel em direito, jornalista e empreendedor digital. Escrevo no Mix de Séries desde janeiro de 2016. Sou responsável pelas colunas de audiência e Spoiler Alert, além de cuidar da editoria de premiações e participar da pauta de notícias. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.