Crítica: Tudo quase pronto para o início do fim do mundo no 4×09 de Preacher

Por mais que achassem o contrário, todos estavam exatamente onde Deus queria. Cada um dos três amigos foi vencido pelos planos divinos!

Overture de Preacher trouxe para as telas o prólogo do fim do mundo. Para o Graal, tudo parecia, finalmente, estar entrando no eixo para a destruição parcial do planeta.

Com Humperdoo de volta e sua aparência restaurada em todo esplendor, Herr Starr era só alegrias. Sobrou até um charme para a agente Featherstone, que não deve ter curtido muito o momento de intimidade com seu amado chefe.

Eu bem que achei muito estranho o Starr todo peladão e a agente vestida. Para a nossa surpresa – ou nem tanto – a experiência sexual foi um tanto quanto peculiar. A frustração foi tanta que Lara até perdeu a fé em seu chefe e resolveu juntar-se à Tulip para impedir o apocalipse.

A princípio, percebo que boas cenas nos aguardam para o episódio final da série. Espero não estar enganado!

Continua após a publicidade

Os planos do trio vs os planos de Deus

Algo de bastante curioso foi a execução dos planos de Jesse, Tulip e Cassidy. Cada um, no devido tempo, foi pego de jeito pelo maquiavélico Deus da série.

Cass foi tentado a voltar à mortalidade. Embora fosse algo bastante atraente para ele, sua queda veio por tentar defender seu amigo “Hump”. Achei lindo da parte dele, apesar de não fazer muito seu tipo, o altruísmo lhe caiu bem.
Por outro lado, Tulip derrapou na ira, cedendo quando Deus a cutucou sobre a perda de seu bebê. Acredito que tudo foi feito daquela forma apenas para mostrar como aquele Deus é cruel. Tenho apenas um comentário sobre isso: funcionou!

Imagem: IMDb/Divulgação

Já o nosso Preacher foi traído pela sua arrogância. Achando que conseguiria encarar o Criador de igual para igual, só porque estava possuído pelo “Gênesis”. Para o azar dele, Deus estava preparado. Conseguiu até fazer as pazes com o Santo dos Assassinos. Isso foi incrível!

60 minutos para o fim do mundo!

Com aparência de apresentador de talk show, Herr Starr fez muito bem seu papel de ameaçar o mundo e anunciar o apocalipse. Seu trabalho teria sido mais perfeito se ele tivesse se lembrado de ajeitar o que o Hoover 2 deixou de fazer. Mas nem todo mundo é perfeito, não é mesmo?

Minha dúvida é quanto a necessidade do show para terminar o mundo. Dançarinas, mímicos e uma apresentação especial do sapateado de Hump. Para quê entreter o mundo e depois acabar com ele? Não era mais humano simplesmente acabar com tudo de uma vez?

Confesso que senti um pouco de vergonha alheia com a última tentativa de Jesus para assumir o lugar do irmão. Ainda bem que não colou, já pensou se ele consegue? Teria Hitler como consultor e o fim do mundo seria bem pior, não é mesmo?

O curioso destino das coisas

Agora, perto do final do mundo, algumas dúvidas permanecem… Destruindo tudo, qual será o destino da humanidade? Será que o Criador vai simplesmente eliminar toda a existência para colocar sua nova criação na terra?

Uma outra questão que fica: qual o papel do Eugene nisso tudo? Imaginem só se for ele a peça que trará a reviravolta em toda a trama. Seria sensacional!

Qual será o papel do casal de anjos rebeldes no plano de Jesse?

Antes de mais nada, para mim, série boa é aquela que tem começo, meio e fim. Certamente temos visto muitos desfechos até aqui, e a série parece estar caminhando para um final digno. Espero não me frustrar com o resultado!

Até a próxima!

Nota do episódio9.5
Crítica do nono episódio da quarta temporada de Preacher, da AMC, intitulado "Overture".
9.5
Tags Preacher
Albert Moura

Albert Moura

Jornalista e seminarista, além de pai de primeira viagem. Casado com a Ana, mas amante das séries. Atualmente acompanha Outcast, Better Call Saul, American Gods, Lucifer, Gotham, o universo Marvel, Arquivo X e mais algumas, além de também ser um eterno fã de Friends. No Mix, escreve sobre Preacher e Lethal Weapon.

No comments

Add yours