Crítica: Volta de Connie Britton agitou o final da 3ª temporada de 9-1-1

Critica 9-1-1 final 3 temporada

Entre erros e acertos, episódios finais de 9-1-1 remexeram todos os personagens do seriado

A terceira temporada de 9-1-1 enfrentou diversos desafios ao longo de sua jornada. Ao balancear os prós e contras, por exemplo, é possível constatar que o ano fecha de maneira bem equilibrada. E, ainda que tenha tido suas diversas inconsistências no caminho, grande parte dos personagens encontrou seu lugar, o que é um mérito bastante expressivo para um formato que tem, em seu DNA, a exploração das aleatoriedades.

Continua após as recomendações

A season finale abriu sua narrativa com promessas deixadas no episódio anterior e o plot, apesar de direto, garantiu boas doses de tensão e organizou seu texto de maneira bastante efetiva. Quando Athena, com toda sua engrenagem sociopolítica e representativa, se colocou à frente de um caso complexo, em que um homem abusava e estuprava mulheres de uma vizinhança, o roteiro não economizou em peso dramático.

Em uma sequência difícil de assistir, na qual a sargento, sozinha, lida com o criminoso, a mensagem se abstém de rodeios: os traumas gerados, a partir dali, serão difíceis de digerir. Ao mesmo tempo, a série endossa seu discurso ideológico mais uma vez, porque a força de Athena emana a todo instante, ao passo em que a sua persona se torna cada vez mais interessante e importante.

Continua após a publicidade

Michael, Hen e as novas possibilidades 

Quem também adquire mais camadas e, nesse sentido, pode ganhar um destino mais interessante, é o Michael. Enquanto lida com o tumor no cérebro, o personagem move peças bastante interessantes ao seu entorno, uma vez que essa plot explora, de maneira bastante delicada, a sua relação com a família e com Bobby.

Ao acenar para o futuro de maneira otimista, as notícias sobre a evolução de seu câncer são satisfatórias e o arquiteto não deve encontrar, por agora, o adeus. Deste modo, sobra espaço para novos amores. Que o romance com o médico tenha um desenvolvimento interessante.

Do outro lado, Hen também constrói novos horizontes. Conforme a série dava pistas previamente, a bombeira, realmente, decidiu virar média. Essa nova possibilidade, portanto, vai deixar algumas lacunas abertas para que outros ambientes, lugares e personagens sejam explorados. Afinal, quem deve substituí-la na estação 118? Como será sua jornada em graduação, no hospital? Será mesmo que isso vai se concretizar?

Abby, Buck e o fechamento de um ciclo?

Anunciado o seu retorno, Abby voltou ao seriado cercada de expectativas. Isso porque o seu romance com Buck foi um núcleo muito bem construido – e foi interrompido de maneira abrupta pela saída de Connie Britton do seriado. Deste modo, seu retorno poderia significar duas coisas: a sua inclusão no time de protagonistas, ou a sua saída definitiva. Ao que foi indicado pelo episódio, seu destino parece ser a segunda opção.

O esperado encontro dos dois personagens aconteceu de forma bastante inusitada, mas nada melhor que fosse feito durante uma emergência porque isso já faz parte da personalidade do seriado. Buck descobre, após o descarrilamento de um trem, que Abby está noiva e que, pasmem, o seu noivo é uma das vítimas prestes a morrer. Apesar de ter sido uma decisão ousada e interessante, a proposta pecou na execução. No fim, toda a tensão construída teve uma conclusão bastante anticlimática, porque a sobrevivência do homem aconteceu mesmo diante das improbabilidades constatadas.

E mais anticlimático, ainda, foi o diálogo “derradeiro” do bombeiro e da ex-operadora do 9-1-1. No fim, para fechar um ciclo e para que Buck, finalmente pudesse seguir em seus próximos passos, Abby fornece somente uma explicação sem profundidade que é usada como desculpa para seu adeus. E, ainda que tudo isso pudesse ter sido mais elaborado, essa parece uma decisão feliz para presença do personagem na série.

Ao fim, a season finale deixa uma sensação positiva. Com tramas e subtramas bem demarcadas, o futuro de 9-1-1 pelo menos deixa pistas sobre aonde quer ir. Embora finalize a sua temporada com dois episódios medianos,  o gosto do entretenimento que a série propõe ainda é mais forte.

Notas: 

1: O plot do Josh se arrastou de maneira desnecessária.

2: Buck, Bobby e Eddie conversando, ao lado das vítimas, como se elas não estivessem ouvindo, foi o cúmulo.

3: Gravidez de Maddie e Chim pode ser uma decisão arriscada para futuras tramas desinteressantes.

4: May: futura enfermeira, ou futura operadora do 9-1-1?

E então, o que acharam? Deixem nos comentários. Além disso, continuem acompanhando todas as novidades do mundo das séries aqui no Mix de Séries.

Até a próxima!

Nota do Episódio 7
Crítica dos dois últimos episódios da terceira temporada de 9-1-1, episódios 17 e 18, exibidos nos EUA pelo canal FOX.
7
Tags 9-1-1
Avatar

Lucas Wilker

Estudante de Jornalismo e grande admirador do Ryan Murphy e suas fábulas. Apaixonado pelo universo audiovisual desde que os X-Men o convidaram para adentrar em suas aventuras. Chora facinho com This Is Us e é extremamente afeiçoado aos personagens das séries, dos filmes e dos livros que consome. Eterno aprendiz da escrita.

No comments

Add yours