Desperate Housewives

Os bastidores de Desperate Housewives: curiosidades por trás das câmeras

Na última semana, tive o prazer de compartilhar com vocês, por meio da coluna Memórias em Série, que Boardwalk Empire foi quem introduziu-me ao maravilhoso mundo da TV a Cabo. Foi a partir do drama que descobri Six Feet UnderSex And The CityThe Sopranos Queer As Folk. Contudo, quem me conhece sabe que foi Desperate Housewives quem me trouxe para o maravilhoso mundo da televisão. Lembro-me como se fosse ontem de assistir uma chamada no antigo Canal Sony (hoje Sony Channel) e pensar – ‘Essa série parece legal’.

Naquele mesmo ano fiz algo ousado – gastei todas as economias da minha pré-adolescência num presente de Natal. O que? Um daqueles boxes extravagantes que continham todas as temporadas até a data da aquisição. Passei as férias de verão do ano subsequente trancado em casa devorando episódios atrás de episódios. Apaixonei-me. Mulheres fortes como protagonistas. A decisão de brincar e ridicularizar com o falso moralismo e puritanismo da elite do subúrbio e esse apelo novelesco que me agrada.

Sendo assim, nada mais natural do que começarmos essa temporada pré-Fall Season com um Bastidores de Desperate Housewives. Por isso, eu te convido para continuar conosco e ler nossa coluna. Além de comentar, criticar, elogiar e propor mudanças… Afinal, precisamos da ajuda de vocês para melhorar.

Seguindo o figurino

Desperate Housewives, Vestido, Formatura

Imagem: Divulgação (02)

Uma fã da série gostou tanto de um dos (inúmeros) vestidos usados por Gabrielle (Eva Longoria) no episódio piloto, que mandou uma carta para produção. Ela queria saber o nome do designer responsável pelo vestido para que pudesse copiar e usar algo parecido na sua formatura. Os produtores, contudo, tiveram uma ideia muito melhor. Ao invés de nomear o responsável pelo vestido, eles mandaram o próprio vestido e a moça em questão usou-o na sua formatura.

Papéis trocados

Eva Longoria e Roselyn Sanchez

Imagem: Divulgação

Marcia Cross originalmente participou dos testes para o papel de Mary Alice Young, mas foi escalada como Bree Van De Kamp. Nicollette Sheridan, por sua vez, fez audições para interpretar Bree Van De Kamp, mas acabou como dando vida a Edie Britt. A história de Roselyn Sanchez (Grand Hotel), contudo, foi um pouquinho diferente. Ela estava prestes a ganhar o papel de Gabrielle Solis, mas perdeu para Eva Longoria nos estágios finais das audições. Engana-se quem pensa que elas se tornaram inimigas. Muito pelo contrário. Anos depois de disputarem o mesmo papel, elas voltaram a trabalhar juntas em Devious Maids, série produzida e ocasionalmente dirigida por Longoria, assim como protagonizada por Sanchez.

Quem tem visão tem tudo

Lloyd Braun

Imagem: Alison Buck/TheWrap

Originalmente desenvolvido como um piloto de comédia, o projeto de Desperate Housewives foi rejeitado por praticamente todos os canais. Até mesmo Lifetime, focado no público feminino, e a HBO, que ainda colhia frutos do mega sucesso feito por Sex And The City. Contudo, a ABC, a época liderada por Lloyd Braun (ao lado), manifestou interesse desde que fossem feitas algumas alterações. Sendo assim, todo o formato foi refeito e alterado para um drama recheado de humor negro.

Aceita que dói menos

Desperate Housewives, Lynette

Imagem: ABC/Bob D’Amico)

De acordo com o livro Desperate Networks, do estilo que desvendo os bastidores de forma sensacionalista e bombástica, o criador do drama, Marc Cherry, insistiu que todos os atores e atrizes fizessem testes para todos os papéis. Diversas atrizes demonstraram interesse em interpretar o papel de Susan, tais como Mary-Louise Parker, Calista Flockhart e Julia Louis-Dreyfus. O problema é que elas não queriam participar de qualquer audição, então recusaram a ideia. A própria Felicity Huffman sequer queria participar de um teste para interpretar Lynette, preferindo receber a proposta. Seus agentes à época convenceram-a de aceitar a proposta e ela aceitou fazer uma audição. Marc Cherry ficou tão impressionado com seu desempenho que ela ficou com o papel na hora.

Quero Matar Meu Chefe

Imagem: ABC/Scott Garfield

Embora bem sucedido, Marc Cherry sempre foi conhecido por ser uma pessoa ‘difícil’ de se trabalhar. Pessoas próximas inclusive descreviam seu comportamento como errático e tóxico. Esses problemas transbordaram quando, em abril de 2010, Nicollette Sheridan processou o produtor por vinte milhões de dólares por agressão física, discriminação de gênero, demissão sem justa causa e criança de um ambiente tóxico de trabalho. Anos depois, um juiz rejeitou o processo e pediu seu arquivamento.

A vida imita a arte

Kathryn Joosten

Imagem: ABC/Divulgação

Kathryn Joosten é mais conhecida pelo grande público como a Sra. Karen McCluskey, uma verdadeira lenda de Wisteria Lane. Sendo assim, quando a série foi oficialmente renovada para sua última temporada, ela foi contatada por Marc Cherry com a ideia da sua personagem ter câncer. Ela concordou, mas com uma condição: queria que a doença fosse tratada o mais verossímil possível. Isto é: nada de risadinha. O criador e a ABC aceitaram a ideia.

A ironia triste, e um tanto mórbida, é que a atriz, que estava com câncer de pulmão durante as gravações, morreu dois dias após a exibição da Series Finale em que sua personagem morria de câncer de cérebro.

Rapidinhas

– Teri Hatcher, Felicity Huffman e Eva Longoria são as únicas atrizes a aparecer em todos os episódios da série. Marcia Cross apareceu em (quase) todos, com exceção de poucos episódios na sétima temporada em virtude da sua licença maternidade.

– De acordo com o próprio Marc Cherry, o presidente de entretenimento da ABC à época, Paul Lee, pediu que Katherine fosse retirada da série. O motivo? Body of Proof estava em desenvolvimento.

– Os produtores acreditavam que Ricardo Chavira era muito jovem, e não muito simpático, fazendo com que o ator quase perdessem o papel de Carlos Solis.

– Bree é baseada na própria mãe de Marc Cherry. Dana Delany foi convidada para o papel, mas recusou três vezes.

Em suma

Lembro que essa coluna traz uma oportunidade única para nós, fãs de televisão, sempre descobrirmos um pouquinho mais daquela série que tanto nos agradou através dos anos. Esteja ela finalizada ou em exibição, é improvável que saibamos tudo o que aconteceu ou acontece nos seus bastidores.

Este mesmo que vos escreve não tinha a menor ideia que Dana Delany tinha recusado o papel de Bree três vezes. Acredito que vocês também não. Desperate Housewives pode não ser sinônimo de obra prima, mas é uma das melhores do seu tempo.

Sendo assim, agradeço pela sua leitura nesta semana. Aproveito ainda para lembrar que da próxima vez vamos falar sobre os Bastidores de Todo Mundo Odeia o Chris. Espero vocês!

Avatar

Bernardo Vieira

Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.

No comments

Add yours