Personagem de Grey’s Anatomy se revela transgênero: saiba como a série o abordará

Imagem: ABC/Divulgação

Continua após as recomendações

O tão aguardado retorno de Grey’s Anatomy, na última quinta feira (18), não só iluminou a história de Jo e seu marido abusivo. A série também abordou outro assunto importantíssimo, através da revelação de quem um dos personagens da série é transgênero.

Então, se você ainda não assistiu ao episódio 14×09 da série, siga por sua conta e risco nesta matéria que está recheada de SPOILERS.

Continua após a publicidade

Ao final do episódio, o interno Casey, interpretado pelo ator Alex Blue Davis, revelou ser transgênero. A informação pegou a todos de surpresa, principalmente pelo fato de Davis também ser trans. Na história, o personagem ajuda Bailey a hackear o hospital, uma vez que ele precisou invadir o sistema de trânsito no passado para mudar sua carteira de motorista – de feminino para masculino.

Logo após o episódio, o The Hollywood Reporter publicou uma matéria em que Davis e a showrunner Krista Vernoff esclareceram sobre como a série abordará o assunto.

Reescrevemos essa cena muitas vezes. Queríamos ela desse jeito que foi ao ar“, destacou Vernoff. “Trabalhamos bem próximo de Alex e do GLAAD (Grupo de Defesa LGBTQ) neste enredo“.

Inspirada na proposta de proibição do presidente Donald Trump (e desde então bloqueada) aos indivíduos transgêneros de que servissem nas forças armadas, Vernoff decidiu contar uma história sobre um veterano trans. Então, lançou intencionalmente uma busca por um ator trans que interpretasse o interno Dr. Casey Parker.

Queríamos que a audiência conhecesse esse personagem antes de conhecer essa informação privada, queríamos que sua divulgação não fosse como um ‘ A-ha!’ choque, mas um verdadeiro desdobramento da verdade do personagem quando ele se sentiu seguro com alguém“, diz Vernoff.

Muitas pessoas não entendem o que você quer dizer quando diz “erro” em uma carteira de motorista – eles pensam que é um erro de digitação“, destacou Davis. Não era suficiente para as pessoas entenderem que o erro era o sexo feminino e é difícil ter mudado [em sua carteira de motorista] em muitos estados. É um problema sério”.

Imagem: ABC

O ator não é novo na televisão. Ele já interpretou papéis em 2 Broke Girls e NCIS: Los Angeles, e diz que sabia do personagem quando foi requisitado. O que é legal sobre a série, o episódio e a visão de Krista para esse personagem é que ele é muito mais do que ser trans“, diz Davis, observando que ele vê a história de Casey como território inexplorado na televisão. Eu chorei na mesa de leitura, foi muito emocionante para mim. Estive esperando por um momento como este na TV em toda a minha vida. Estou tão honrado que eu tenho de dizer essa fala na TV porque demorou muito tempo para chegar.

A showrunner, que assumiu a principal posição de roteirista de Grey’s Anatomy após o anúncio da saída de Shonda Rhimes da ABC, revelou o motivo principal de inserir uma história como essa na série. “Percebendo que uma pessoa trans é como qualquer outra pessoa, com uma jornada nesta vida – eles não são vítimas, vilões, estranhos ou errados; não são as coisas que as pessoas acreditam quando apoiam leis como a que Trump apresentou, meu objetivo como contadora de histórias era ajudar a iluminar essa experiência como uma aliada. Liguei para a GLAAD para ajudar a fazer isso porque eu sou apenas uma aliada e não um membro da comunidade LGBTQ. Eles ficaram felizes em ajudar“.

Na entrevista, ainda destacou-se o futuro do personagem, que deverá encontrar um interesse amoroso em breve. “Há tantas histórias lindas para contar e a representação muda mentes e corações“, disse Vernoff, ao destacar o impacto da arte na sociedade. Ela apontou para a criadora de Grey’s, Shonda Rhimes, ao adicionar personagens como Arizona (Jessica Capshaw) e Callie (Sara Ramirez) na época em que ainda era considerada uma raridade para as pessoas verem personagens gays ou bissexuais na TV, em que o público se apaixonou por elas antes de revelarem suas sexualidades. “Quando há um fanatismo no mundo, as pessoas podem apontar e dizer: ‘Não, eu tenho um amigo que é gay e é alguém que você conhece’ – e você percebe que é um personagem que você ama na TV. É assim que influenciamos as pessoas a abrirem mentes e corações“.

Isso é parte da razão pela qual Vernoff quer tentar evitar contar uma história em que Casey enfrente qualquer reação apenas por causa de quem ele é. “Uma das coisas com as quais conversamos com a GLAAD de que não seria revolucionária seria apenas contar histórias humanas sobre personagens trans. Há uma quantidade razoável de ódio que já está retratada. Eu queria que Casey fosse uma pessoa completa, que é um veterano do exército, um bom médico e um integrante da gangue – que passa a ser trans. Eu não queria retratar o ódio“, completou.

Grey’s Anatomy continua com episódios inéditos no Estados Unidos todas às quintas pela ABC.