A Filha Perdida: a verdade por trás do filme da Netflix

Filme com Olivia Colman, A Filha Perdida, faz sucesso na Netflix e tem curiosidade de bastidores.

A Filha Perdida Netflix
Continua após publicidade

A Filha Perdida (The Lost Daughter) é um drama psicológico que segue uma mulher em férias e que de forma inesperada se lembra do seu passado doloroso, quando ela vê uma jovem mãe e sua filha. Leda (Olivia Colman) tem uma culpa profunda (e destrutiva) por abandonar suas filhas em sua juventude e entra em uma jornada sombria e emocional, quando ela encontra Nina (Dakota Johnson) e sua filha, Elena.

Continua após publicidade

As coisas ficam ainda mais complicadas quando Leda rouba a boneca de Elena, causando dias de agonia para Nina e sua família por causa da criança inconsolável.

A história é uma exploração notável da maternidade, com grande parte da tensão decorrente de seu retrato de experiências, sem dúvida, enfrentadas por um certo número de jovens mães no mundo real. Diante disso, A Filha Perdida tem base em uma história verdadeira? Eis que o Mix de Séries conta a verdade por trás do filme da Netflix.

Continua após publicidade
Continua após publicidade

A verdade sobre A Filha Perdida na Netflix

A Filha Perdida parece se inspirar parcialmente em uma história verdadeira. O filme tem base no romance de mesmo nome (originalmente La Figlia Oscura, em italiano) da autora Elena Ferrante (pseudônimo). Ferrante é uma autora notoriamente anônima, ou seja, ninguém nunca a viu. Mas altamente aclamada e que também foi nomeada uma das 100 Pessoas Mais Influentes pela TIME em 2016. O livro ganhou a adaptação para o cinema por Maggie Gyllenhaal, que também fez sua estreia na direção com um drama cerebral e emocional.

Leia também: Não Olhe Para Cima, a verdade por trás do filme da Netflix

Curiosamente, Gyllenhaal alega que ela também não sabe sobre a verdadeira identidade de Ferrante e apenas assume que o autor é uma mulher. No entanto, a atriz que virou diretora reconheceu o poder do trabalho de Ferrante e o descreveu como se uma peça secreta de sua própria experiência como mãe, amante e mulher no mundo estivesse sendo falada em voz alta pela primeira vez.

Continua após publicidade

A narrativa emocional crua do filme também se beneficia das próprias experiências de Gyllenhaal como mãe, o que a ajuda a enunciar, por meio de seu filme, os sentimentos mistos de alegria e ansiedade ilimitadas que as mães enfrentam. Gyllenhaal supostamente recebeu informações de sua mãe e irmão, Jake Gyllenhaal, durante as fases de escrita, filmagem e edição do filme.

Continua após publicidade

Ela adquiriu os direitos do filme em 2018, escrevendo uma carta cuidadosamente redigida, e obteve permissão do autor de forma pública, por meio de um artigo no The Guardian em que Ferrante escreveu: “Gyllenhaal decidiu, isto é, dar forma cinematográfica, não minha experiência do mundo, mas a dela, começando com ‘A Filha Perdida’”.

Continua após publicidade
A Filha Perdida Netflix
Imagem: Divulgação.

As mudanças para o filme

É claro que Gyllenhaal torna a história sua e se afasta do livro de referência em alguns aspectos dignos de nota. Embora o livro se passe na Itália, o filme inicialmente deveria ter um pano de fundo que lembrava o Maine. Quando a pandemia atingiu as filmagens no Nordeste dos EUA, ela se tornaram cada vez mais improváveis. Então, Gyllenhaal reescreveu Leda como uma turista em uma ilha exótica e rodou o filme na Grécia.

Continua após publicidade

Leia também: Eis a verdade por que The Mentalist foi cancelada

As mudanças no final são particularmente notáveis ​​e, no livro, Leda acorda no hospital, após se envolver em um acidente. No filme, Leda desmaia na praia após o acidente, onde ela acorda. Tanto o filme quanto seu livro de referência terminam em uma nota de ambiguidade quanto ao destino do protagonista. Mas as linhas finais foram embelezadas de forma interessantes neste último.

Continua após publicidade
A Filha Perdida Netflix
Imagem: Divulgação.

No filme da Netflix, quando a filha questiona se ela está bem, Leda responde: “Não, na verdade estou viva.”. O livro termina de forma enigmática com Leda dizendo: “Estou morta, mas estou bem.”. É interessante notar que, apesar da protagonista dizer palavras aparentemente opostas nos momentos finais, seu significado é enganosamente semelhante em sua ambiguidade. Assim, o filme capta habilmente o espírito do livro, apesar de fazer algumas mudanças muito perceptíveis.

No final, não está claro se os eventos exatos vistos em A Filha Perdida ocorreram. No entanto, o que possivelmente é mais notável é que o filme se inspira em experiências genuínas. Embora seja difícil apontar quanto do misterioso romance de Ferrante se baseia na vida real, é amplamente claro que Gyllenhaal agregou o roteiro e o filme com realismo sincero, usando suas próprias experiências e sua interpretação.