A história real de Freud, que inspirou a série da Netflix

Freud história real

Saiba o que é verdade e o que é ficção na série de sucesso da Netflix

A nova série da Netflix, Freud, tornou-se um verdadeiro sucesso. E embora ela seja inspirada em fatos reais, a produção deve ser classificada como ficção histórica.

Isso porque, mesmo que o personagem principal Sigmund Freud seja real, o enredo não é tão verdadeiro assim. Sinto muito por todos aqueles que acharam que o Pai da Psicanálise caçava assassinos, mas isso realmente não aconteceu.

A história real de Freud: o que é verdade e o que é mentira na série

A produção em língua alemã da Netflix imagina como um jovem Freud poderia ter usado suas habilidades psicanalíticas para resolver crimes, mas apenas o próprio em si personagem está baseado em algo real.

A história da série se passa na década de 1880 em Viena, onde Freud viveu a maior parte de sua vida. Ele estudou medicina na Universidade de Viena em 1873 e passou a trabalhar no Hospital Geral de Viena. Assim, o programa explora alguns dos primeiros trabalhos da figura na esfera da psicanálise, como suas breves experiências com a hipnose. Porém, muitas coisas que são mostradas na série não aconteceu de verdade.

Continua após a publicidade

Outro aspecto da série que aparece baseado na vida real é a personagem Fleur Salomé, um médium que se une ao psicanalista para ajudar a resolver os casos. Ela parece vagamente baseada em Lou Andreas-Salomé, aluno de Freud, amigo e confidente, de acordo com a The New York Review of Books. A agência informou que a verdadeiro Salomé, embora não seja uma médium, “podia ver imediatamente conexões que outros ainda não podiam ver“. E Freud disse uma vez em uma carta que Salomé era capaz de entender as pessoas melhor do que elas mesmas.

Na série da Netflix, há muita tensão romântica entre Freud e a personagem de Fleur Salomé. O New York Times informou que houve rumores de que o verdadeiro médico e Lou Andreas-Salomé poderiam ter sentimentos um pelo outro, mas isso nunca foi provado. Mas, visto que a série se passa na década de 1880, e o NYT relatou que Freud e Lou Andreas-Salomé não se conheceram até 1911, os fãs não deveriam colocar muito expectativa sobre o que a série apresenta em relação a seu suposto romance. Esta é uma grande prova que, tal história, é parte de uma narrativa de ficção histórica.

Produzindo a série

O diretor Marvin Kren disse à Variety que, ao fazer a série, ele não queria que “parecesse histórico demais“. Ele disse: “Queremos apelar para o público jovem e moderno“. Para fazer isso, a série teve “elementos modernos e provocativos misturados com o histórico”. A série também foi desafiada pelo fato da figura estar “notoriamente controlando como sua própria história e biografia foram apresentadas“, como Kren disse, para que eles não tivessem muita informação sobre sua vida pessoal – embora o uso excessivo de cocaína seja declaradamente real à verdadeira personalidade de Freud.

Já na preparação para interpretar o protagonista da série da Netflix, o ator Robert Finster disse a um canal austríaco que se deixou hipnotizar durante sua fase de pesquisa. Ele também disse que examinou as maiores teorias da conhecida figura. “Freud é um poço sem fundo. Eu poderia ter pesquisado por anos. É claro que não havia tanto tempo, então tive que me limitar“, disse ele. Ele especificou que se concentrou nos anos mais jovens de Freud, já que ele interpreta a versão inicial da figura histórica.

Toda a produção se contentou com o que estava disponível sobre Freud, mas a série também tomou algumas liberdades criativas para apresentar uma história emocionante ao público sobre o psicanalista em ascensão.

No entanto, essa não é a primeira vez que Freud é imaginado como tal, de acordo com o The Guardian. Uma produção anterior a esta, chamada Freud: The Secret Casebook iria mostrar Freud resolvendo casos criminais sem resolução, mas o projeto acabou sendo interrompida no desenvolvimento. Havia também um romance chamado The Interpretation of Murder, que levou Freud a resolver um assassinato em Nova York em 1909. Segundo o The Guardian, Freud também era um grande leitor de romances policiais, incluindo Sherlock Holmes. Então, embora ele não tenha resolvido crimes em sua vida real, talvez ele se sentisse lisonjeado em ver uma série de TV imaginando isso.

E você, já maratonou os episódios da série? O que achou? Deixem nos comentários.

 

Anderson Narciso

Anderson Narciso

Mestre em História, criador de conteúdo, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias e resenha séries semanalmente.

No comments

Add yours