Conheça a história real de Chernobyl, que inspirou novo sucesso da HBO

Acidente nuclear de Chernobyl é um dos maiores da história

Já se passaram mais de 30 anos desde o desastre de Chernobyl, o pior acidente nuclear da história. O incidente foi catastrófico, deixando uma área da Ucrânia totalmente radioativa.

Esse grande desastre, que ficou na memória de muitos que viviam à época, é o pano de fundo para Chernobyl, nova série da HBO. E, mesmo sendo uma minissérie, a atração já se tornou um dos maiores sucessos do canal a cabo. Ultrapassando séries como Breaking Bad e Six Feet Under, o título já é a série de TV mais bem avaliada da história do IMDb.

Nesta semana, a HBO exibe o penúltimo episódio – de cinco. Portanto, chegou a hora de você saber quais fatos realmente aconteceram em tal evento.

Confira…

Continua após a publicidade

O que foi “Chernobyl”?

A Usina Nuclear de Chernobyl foi construída entre os anos de 1970 e 1983. Ficava localizada na então controlada Ucrânia, 68 milhas ao norte de Kiev. A planta continha quatro reatores nucleares na época do desastre. Vale ressaltar que a construção de mais dois reatores chegou a ser planejada. As usinas nucleares faziam o mesmo trabalho que outras usinas – reciclando energia usada para gerar energia elétrica. Entretanto, aproveitam-se da fissão nuclear, que ocorre quando os núcleos de átomos de elementos como o urânio se dividem, liberando grandes quantidades de energia.

Entre as comunidades mais próximas da fábrica estavam a cidade que lhe deu o nome, Chernobyl, lar de cerca de 14.000 pessoas. Mas havia tantas pessoas empregadas pela usina que uma comunidade chamada Pripyat foi fundada em 1970 especificamente para abrigar os trabalhadores da usina nuclear e suas famílias. Abrigando mais de 50.000 pessoas, Pripyat, como qualquer outra cidade, continha escolas, fábricas, cinemas e hospitais. Vale ressaltar que um parque de diversões estava programado para abrir apenas alguns dias após o desastre.

Como a explosão de Chernobyl aconteceu?

Em 26 de abril de 1986, às 1h23, os engenheiros de Chernobyl desativaram alguns dos recursos de segurança do reator enquanto ainda funcionavam – como parte de um teste de segurança. Uma combinação de erro humano e defeitos de design levaram a um incêndio e, logo depois, a uma explosão que expeliu o reator número 4. Isso acabou expondo o centro nuclear e liberando na atmosfera uma radiação 400 vezes maior do que a que foi emitida quando as forças americanas lançaram a bomba atômica em Hiroshima, durante a Segunda Guerra Mundial.

Na tentativa de parar as chamas e espalhar a radiação, os helicópteros lançaram areia no reator, bloqueando a radiação de chumbo e absorvendo o boro. Ainda assim, ele queimou por 10 dias, espalhando cinzas radioativas e fumaça por toda a cidade.

Resultado de imagem para chernobyl usina

Fotografia aérea da época da explosão na usina de Chernobyl. Imagem: DW/Release.

Quantas pessoas morreram?

De acordo com a contagem oficial soviética, a explosão matou dois trabalhadores da fábrica, enquanto 28 engenheiros e bombeiros morreram de síndrome de radiação aguda nas semanas seguintes ao desastre.

Havia 600 pessoas trabalhando no local durante a explosão, e 134 no total ficaram doentes com envenenamento por radiação aguda. Os socorristas e os trabalhadores da fábrica que não sobreviveram tiveram mortes agonizantes. Eles sofreram de vômitos e diarreia, queimaduras graves no corpo inteiro e eventual falência de órgãos.

E o que aconteceu depois do acidente?

As autoridades não começaram a evacuar as comunidades em torno de Chernobyl imediatamente. Isso só foi acontecer na tarde de 27 de abril, mais de 24 horas após a explosão. Conforme as autoridades expandiram a zona de evacuação, mais de 300.000 pessoas foram colocadas em ônibus e evacuadas das áreas mais contaminadas.

Os sovietes designaram uma zona de exclusão de 1.600 milhas quadradas em torno da planta conhecida como Zona de Exclusão de Chernobyl, destinada a restringir o acesso à área para reduzir a propagação da contaminação. Apesar do fato de que um “sarcófago” de concreto foi colocado sobre o reator destruído número 4 para conter a radiação, os outros reatores continuaram a operar, com os funcionários trabalhando cinco horas por dia e gastando metade de cada mês fora da zona de exclusão. Todavia, a fim de minimizar sua exposição à radiação. A fábrica do acidente não foi completamente desativada até o ano 2000, até que um novo sarcófago de aço foi colocado em todo território em 2017.

Consequências na saúde

Relatos de problemas de saúde a longo prazo por conta do acidente de Chernobyl variam. Entretanto, o desastre contaminou uma área habitada por milhões de pessoas. Embora especialistas debatam o número de mortos a longo prazo – a ONU calculou o número em 4.000, enquanto o Greenpeace estimou 93.000. Muitas dessas mortes têm sido associadas a milhares de casos de câncer de tireoide, aumento das taxas de leucemia entre aqueles que trabalharam no local após a explosão, bem como ansiedade e problemas de saúde mental entre aqueles que viviam perto do local. Em 2010, os pesquisadores descobriram taxas dramaticamente aumentadas de defeitos congênitos em crianças nascidas perto da zona de exclusão. Tais problemas incluíam taxas duplicadas e triplicadas de problemas como microcefalia, espinha bífida e incidentes de gêmeos siameses.

Cidade fantasma

Pripyat e outras comunidades na zona de exclusão se tornaram cidades fantasma decadentes. E, apesar do fato de que especialistas dizem que as áreas mais próximas do reator serão inabitáveis por 3.000 anos, algumas ignoraram as advertências de radiação e voltaram para suas aldeias nas partes mais externas da zona de exclusão. Algumas áreas foram consideradas seguras o suficiente para pelo menos visitas curtas, incluindo Pripyat. Tal local, agora, recebe cerca de 60 mil turistas por ano, segundo a BBC. O parque de diversões – que praticamente não foi usado – se tornou um símbolo misterioso do desastre.

Imagem relacionada

Parque de diversões virou um dos símbolos da cidade fantasma de Chernobyl. Imagem: Pinteres/Release.

Quanto de Chernobyl da HBO é verdade?

Uma coisa que definitivamente não é algo retratado na minissérie de forma fiel é o sotaque dos personagens. A série inglesa é uma coprodução entre a HBO e a rede britânica Sky. Dessa forma, apresenta um elenco majoritariamente britânico, com voz natural, em vez de influenciarem sotaques russos ou ucranianos.

A série conta a história de cientistas, engenheiros e socorristas envolvidos no desastre e suas consequências, seguindo de perto os eventos da vida real. A maioria dos personagens principais são baseados em pessoas reais. São eles Valery Legasov (Jared Harris), o químico que denuncia e lidera a investigação sobre o desastre. Bem como, Boris Shcherbina (Stellan Skarsgaard), então vice-presidente do Conselho de Ministros da URSS. No entanto, a personagem Emily Watson, especialista em princípios nucleares Ulana Khomyuk, é uma personagem fictícia. Tal figura é baseada em vários cientistas que responderam ao desastre na época.

E você, está acompanhando a série? Ou ficou interessado? Confira abaixo o trailer:

Leia também: Crítica – Chernobyl acerta ao contar com detalhes o famoso desastre nuclear

Matéria inspirada em publicação do portal Esquire.

 

Anderson Narciso

Anderson Narciso

Criador, editor e redator do site Mix de Séries, é apaixonado por séries desde sempre. Fã incondicional de One Tree Hill, ER, Friends, e não perde um episódio da Franquia Chicago.

No comments

Add yours