Criadores de Dark voltam com série ainda mais ambiciosa; conheça 1899

Nova série dos criadores de Dark vem aí!

Dark

Dark, a primeira série original alemã da Netflix foi um sucesso de público e crítica. Para seus criadores, Jantje Friese e Baran bo Odar, o próximo passo é arriscado. Afinal, depois de um acerto como a série de viagem no tempo, é preciso manter o alto nível. O programa alucinante e viciante estreou na plataforma em dezembro de 2017 e atraiu uma base de fãs global ao longo de uma série de três temporadas tensas e satisfatórias até a conclusão em junho de 2020.

Continua após publicidade

Em 2018, Friese e Odar assinaram um acordo significativo com a Netflix. No acordo, a dupla planeja criar exclusivamente para a plataforma por um período inicial de cinco anos. Assim, no pós-Dark, o próximo show será 1899, um ambicioso mistério de época ambientado em um navio indo da Europa para os Estados Unidos.

Continua após a publicidade

Como o Deadline revelou, o projeto será estrelado por Aneurin Barnard, Andreas Pietschmann, Miguel Bernardeau e Emily Beecham. Além disso, a produção usou uma tecnologia de ponta e que vem chamando a atenção da indústria: trata-se do “volume“. 

Continua após publicidade

Mas o que é o tal do “volume”?

O “volume” é uma espécie de palco, semelhante àquele usado notavelmente em The Mandalorian, da Disney. Ele tem 25 metros de diâmetro e 23 pés de altura, com 4.500 pés quadrados de espaço de filmagem. Ele é cercado por um cenário de LED dinâmico que é renderizado em um mecanismo de videogame em tempo real, movendo-se com a câmera para simular um fundo e céu realistas, que criam a ilusão de filmagem ao ar livre. 

Logo, como todo o processo é capturado na câmera, com efeitos adicionados em tempo real, a tecnologia evita a necessidade de “tela verde” e reduz drasticamente o processo de pós-produção. Além disso, o resultado final é muito mais crível e bonito do que o chroma key tradicional. Veja The Mandalorian, por exemplo, e você verá o quão convincente é o “volume”. Para completar, os atores têm um fundo real para interagir, e não precisam atuar em frente a uma tela verde e vazia.

Continua após publicidade

Origens de 1899

Os envolvidos em 1899 estão mantendo os detalhes da trama bem guardados, mas a premissa é que os passageiros do navio, que vêm de uma mistura diversa de culturas e origens, estão unidos na busca de uma vida melhor nos Estados Unidos. Eles encontram outro navio à deriva em mar aberto que transforma sua jornada em um pesadelo horrível. 

A série está em andamento desde 2018 e começou a ganhar força no início do ano passado, quando a pandemia ainda não tinha realmente se registrado na Europa. Como Friese e Odar explicam ao Deadline em sua primeira entrevista sobre o show, a produção virtual, ou seja, o “volume”, não foi levado em consideração naquele ponto.

Somos cineastas da velha guarda. Estamos acostumados a ir a locais reais, usando sons reais e coisas assim, esse era o plano para este show”, diz Odar. “A pandemia realmente nos atingiu e tivemos que discutir como poderíamos fazer um show durante esse tempo. Rapidamente percebemos que não seria possível em um futuro próximo.”.

A Netflix, no entanto, já estava começando os trabalhos na produção virtual. A tecnologia foi divulgada publicamente por meio de seu uso em The Mandalorian, embora já existisse por vários anos antes da série do Disney +. Em 2020, o bloqueio e as restrições de viagens deram à tecnologia um novo apelo, e empresas como a Weta Digital (de O Senhor dos Anéis) começaram a apostar alto na ideia de desempenhar um papel significativo no futuro da produção, construindo seus próprios estúdios.

Série promete ser maior que Dark

Originalmente, planejamos viajar para a Espanha, Polônia, Escócia, todos os tipos de localidades”, acrescenta Friese. “Rapidamente [após o início da pandemia], sabíamos que isso não seria possível no novo futuro, por isso abraçamos totalmente a ideia de trazer a Europa até nós.”.

Parece uma ferramenta mágica, mas é muito, muito complicado. É como se você estivesse acostumado a dirigir um carro e agora de repente tivesse que pilotar um avião. É uma grande, grande diferença.”, diz Odar.

Logo, a dupla foi capaz de assumir o comando da produção virtual no verão passado, com a Netflix montando um “volume” de teste no estúdio do Reino Unido. “Assim que entrei no ‘volume’, foi a primeira vez que o entendi. Isso foi emocionante”, lembra Odar.

Vai realmente ajudar os cineastas a pensar nas histórias de maneira diferente”, afirma Friese. “Uma vez que você começa a trabalhar com isso, você escreve cenas de forma diferente, permite que você explore coisas que você não seria capaz de explorar em um cenário natural.”.

1899 é um desafio tecnológico

A equipe ainda precisava filmar fundos da vida real para serem renderizados na máquina e aparecer nas telas de LED, e eles viajaram para vários países e locais no início deste ano para capturar essas imagens. No entanto, é muito mais complicado do que simplesmente filmar e projetar nas telas do set, como explica Odar.

Não é uma projeção, você não filma 360º de uma paisagem e projeta em paredes de LED, porque você se moveria com a câmera e a projeção ficaria em 2D”, diz ele. “Trata-se de escanear paisagens e transformá-las em modelos 3D para que você possa realmente percorrê-las. Se empurro a câmera em direção à parede, a paisagem se move conosco. Trata-se de criar mundos 3D na câmera que podem se mover e mudar com você.”.

Além disso, a equipe também filmou muitas imagens no oceano e construiu um cenário físico significativo para sua localização crucial – o navio – nas instalações de Babelsberg. Foi um processo de preparação exaustivo.

Você literalmente pega a pós-produção e a torna pré-produção”, acrescenta Odar. “Tudo tem que ser decidido de antemão, você tem que criar, construir, então está tudo pronto para filmar na câmera. Você não usa nenhuma tela verde, de preferência. Eu odeio ‘tela verde’, você precisa de muita imaginação, e os atores também. Ter [o local] já definido é um grande benefício. E aí na edição você já tem tudo lá.”.

Temas globais em trama multilíngue

1899 foi anunciado pela primeira vez durante a crise migratória europeia, quando um grande número de pessoas deslocadas chegavam ao continente, vindas de regiões como o Oriente Médio e a África, em busca de proteção contra conflitos e outras adversidades. Assim, essa influência é claramente visível no enredo, que vê os passageiros do navio, uma mistura de origens e nacionalidades, em busca de uma vida melhor no exterior. 

Todo o ângulo europeu foi muito importante para nós, não apenas em termos de história, mas também a forma como iríamos produzi-lo”, diz Friese. “Realmente teve que ser uma colaboração europeia, não apenas o elenco, mas também a equipe. Sentimos que, com os últimos anos de declínio da Europa, queríamos dar um contraponto ao Brexit e ao nacionalismo em ascensão em diferentes países, para voltar à ideia de Europa e europeus trabalhando e criando juntos.”.

Idiomas e culturas desfilam em 1899

Esse esforço gerou a ideia por trás de uma das intrigantes decisões criativas tomadas pela dupla para esta série: filmar de forma totalmente multilíngue, com cada ator falando sua língua nativa no set.

Ser fiel às culturas e às línguas era muito importante, nunca quisemos ter personagens de diferentes países”, explica Friese. “Queríamos explorar este coração da Europa, onde todos vêm de outros lugares e falam um idioma diferente, e o idioma define muito de sua cultura e seu comportamento.”.

A Netflix e os outros ‘streamers’ realmente abriram a porta para diferentes conteúdos em diferentes idiomas”, diz Friese. “Aquela barreira que costumava existir, onde as pessoas não queriam ler legendas, isso realmente mudou. Há muito para descobrir além do conteúdo dos EUA e do Reino Unido, é ótimo ouvir vozes diferentes.”.

Temos muitos tradutores no ‘set‘”, observa ela. Assim, “você não poderia ficar mais internacional do que um show como este.”

Traçando um caminho misterioso

1899 envolverá viagem no tempo novamente? “Não nos repetimos, realmente odiamos isso, mas será um quebra-cabeça divertido para o público. Estamos voltando às nossas raízes misteriosas”, acrescenta Odar.

Todos os passageiros do navio estão viajando com segredos que não querem revelar. É construído como um quebra-cabeça novamente”, acrescenta Friese.

Em termos de quanto tempo 1899 pode durar, Friese diz que a dupla está dando o melhor de si para torná-lo um programa de várias temporadas, mas observa que “depende dos telespectadores”, assim como da Netflix.

Leia também: O final de Dark explicado: como acaba a 3ª temporada

Dark 3 temporada
Imagem: Divulgação

Teremos mais Dark no futuro?

Quanto aos fãs de Dark, não espere ver mais da série tão cedo, mas seus criadores não estão descartando totalmente um retorno. “Sempre existe uma possibilidade. Se você pode pensar, é possível fazer.”, diz Friese enigmaticamente.

Estou tão feliz que nunca houve um ‘Clube da Luta 2’, isso teria arruinado o ‘Clube da Luta‘”, acrescenta Odar. “Talvez em 10 anos haja uma ótima ideia que faria sentido para ‘Dark’, mas agora sentimos que concluímos o trabalho em três temporadas. Eu ficaria com medo de fazer algo que pudesse arruinar essas três temporadas.”.

Talvez em 33 anos?” brinca Friese.

Odar, entretanto, parece não saber – ou ignorar –  que Clube da Luta teve não só uma, como duas continuações. O autor, afinal, lançou as sequências em quadrinhos e fez relativo sucesso. Ou seja, se até Clube da Luta teve uma continuação, Dark também pode…

E aí, vai acompanhar essa nova série na Netflix?

Gaúcho, estudante de jornalismo e viciado em séries. Tem séries pra assistir de mais e tempo de menos. Séries favoritas? Six Feet Under e Breaking Bad.