Crítica: 365 Dias Hoje é péssimo, catastrófico e frígido

365 DNI 2 falha em todos os aspectos imagináveis, acabando por cometer o pior dos delitos: não entregar o básico do que se propõe.

365 Dias Hoje
Continua após publicidade

Há certos temas e subgêneros do Cinema e da TV que nunca saem de moda. Um deles é o suspense erótico. Trata-se de um tipo de filme que fez sucesso nos anos 1980 e 90, adormeceu nos anos 2000 e ganhou força novamente recentemente. Na literatura, centenas de livros hot são lançados mensalmente. Todos eles parecem dividir os mesmos problemas, muito embora o público pareça diferente. Com 365 Dias: Hoje, a coisa não é diferente.

Continua após publicidade

O grande problema dos ditos romances “eróticos” é que falta justamente aquilo que eles propõem entregar: sensualidade, nudez e sexo. Devemos ser justos com 365 Dias e por isso precisamos analisá-lo pelo que o filme é pelo que deseja entregar. Nesta perspectiva, a produção fica devendo até naquilo que quer fazer. Desta forma, falta sensualidade nas cenas quentes e as cenas de sexo são totalmente frias e mal executadas. Os diretores acreditam que é preciso editar uma cena de sexo do mesmo jeito que se edita uma perseguição de carros ou uma briga de socos.

365 Dias
Imagem: Divulgação.

O que seria a força do filme acaba sendo outro desastre

Cenas entrecortadas onde nada se vê é a lei que rege toda cena “hot” do filme. Assim, 365 Dias: Hoje é um filme covarde. A nudez é contida e rara e as cenas de sexo pouco se fazem presentes. Quando acontecem, tudo é coberto por tecidos e sombras. Se a proposta era ser soft, talvez a equipe tenha pesado a mão deixando tudo pálido e escasso.

Continua após publicidade
Continua após publicidade

Leia também: 365 Dias Hoje: fãs se revoltam com 365 DNI 2 na Netflix

Pois se as cenas quentes, que são o principal elemento de 365 Dias: Hoje, são fracas, o que resta para assistir? O que há entre uma cena e outra é uma história frágil e previsível. Com a sutileza de um mamute, 365 Dias: Hoje falha miseravelmente ao desenvolver o relacionamento do casal principal. Assim, quando as coisas começam a não ir bem para a dupla, o conflito vem como um soco e não como algo gradual. O pior, entretanto, é perceber que a protagonista fica chateada ao perceber que seu amado é um imbecil tóxico, grosseiro, sendo que ele havia sequestrado no filme anterior. Tinha como esperar algo bom dessa pessoa?

365 Dias: Hoje falha até ao entregar o básico aos fãs

Os mais otimistas, entretanto, podem pensar: “tudo está ruim, mas as atuações podem ser boas”. Terrível engano. Michele Morrone, o galã da saga, tem a expressão de uma porta. Anna Maria Sieklucka, a protagonista, se sai um pouquinho melhor, mas é igualmente limitada, principalmente com o embaraçoso roteiro proposto. Simone Susinna, o Nacho, até tem um pouco mais de carisma, mas é impossível fazer qualquer tipo de trabalho quando nem o drama, suspense, humor ou o erotismo funcionam. Nenhum ator, entretanto, é pior do que o ridículo irmão de Massimo. Este deve ser proibido de atuar novamente.

Continua após publicidade

Leia também: 365 Dias, elenco: nome dos atores de 365 DNI e tudo sobre

Com isso, 365 Dias: Hoje é uma sucessão de constrangimentos. As cenas entre o casal original não têm química, as do “novo” casal não engrenam. Já as sequências de sonhos são ainda piores do que as reais e tudo consegue ficar ainda mais insuportável quando uma musiquinha pop é jogada no meio de cenas totalmente destoantes. 365 Dias: Hoje, enfim, pode fazer sucesso entre o público-alvo, mas é um equívoco inquestionável. No fim, é um produto ruim não só por ser um fiasco artístico, mas porque falha em entregar o básico daquilo que propõe, decepcionando até aqueles que podem ser fãs desta bomba.

Continua após publicidade

Nota: 0

Continua após publicidade
Gaúcho, estudante de jornalismo e viciado em séries. Tem séries pra assistir de mais e tempo de menos. Séries favoritas? Six Feet Under e Breaking Bad.