Crítica: 3×01 de FBI teve volta de Maggie e caso empolgante

Crítica FBI 3x01

Estreia da terceira temporada de FBI foi agitada

FBI está de volta! Após uma longa pausa, devido à pandemia, nossa série do coração retornou para episódios inéditos nos Estados Unidos – e com uma estreia que empolgou do início ao fim.

Continua após as recomendações

Com tudo o que está acontecendo nos Estados Unidos – mas não só lá, precisamos ressaltar – eu já esperava que a estreia da temporada fosse tratar de alguma forma sobre racismo. E o modo como eles inseriram na trama foi muito bom. Mas não somente isso, o caso empolgou, deixando a gente preso no sofá até o último minuto para sua resolução.

A volta de Maggie e a chegada de novos rostos

De início, tivemos o retorno de Maggie, após ela se afastar para uma missão disfarçada. Tudo bem, sabemos que a atriz Missy Peregrym estava grávida e precisou se ausentar. Mas, agora, ela está de volta a ação. E isso quer dizer que nossa dupla dinâmica, Maggie e OA também. Claro, OA teve uma grande ajuda da detetive Upton, de Chicago PD, no fim da segunda temporada. Mas, convenhamos, a química entre nossos protagonistas originais é bem melhor.

Continua após a publicidade

Com a agente de volta ao trabalho, eles investigaram um tiroteio em massa, na frente de um jornal que era declaradamente liberal, que atuava na defesa de negros e gays. O ataque, após investigações, foi atribuído a um grupo de supremacia branca e, então, o caso começou a tomar forma.

Enquanto isso, fomos conhecendo pouco a pouco novos rostos. Por exemplo, a Agente Tiffany Wallace, uma franco, “a melhor e mais brilhante” que foi criada em Bed Stuy. Ela passou 6 anos com o NYPD, mas esteve em Atlanta, antes de se transferir para Nova Iorque.

Ela mostrou imposição e ganhou destaque, principalmente ao investigar o caso junto com a equipe. Mulher negra, ela mostrou também não ter medo de cara feia – e o fato de investigar um caso sobre supremacia branca ainda a atingiu em cheio.

Tiffany é a nova integrante de FBI. Imagem: Divulgação

Mas ela tem um passado interessante, e já neste episódio entendemos que ela teve uma rixa com seu superintendente antes de vir para a equipe do FBI. Então, quem sabe, isso possa ser explorado mais na temporada e também causar efeitos em sua permanência por lá.

Além dela, também conhecemos o agente especial Nestor Vertiz, que já parece ter uma conexão com Maggie – ele trabalhou com ela no caso infiltrado, e como vimos no episódio, parece ter tido algum tipo de intimidade com a protagonista. Inclusive, Vertiz é interpretado por Josh Segarra, que os fãs da série de Dick Wolf irão lembrar por ter vivido o filho de Hank Voight em Chicago PD.

OA muito próximo

À medida que o caso foi desenvolvido, descobrimos que na verdade um informante de OA – Zayne – estava envolvido com o caso. Porém, ele acabou sendo o típico – estava no lugar errado e na hora errada. Embora tenha dirigido para o grupo terrorista, ele não sabia que abririam fogo, nem que causariam todos os assassinatos. Mas, quando o FBI descobriu tudo isso, Zayne se desesperou e começou a fugir.

Em meio a um possível segundo ataque, que poderia atingir mais minorias vítimas desse grupo supremacista, OA precisou correr contra o tempo e tentar obter qualquer informação necessária com este informante. O problema é que ele estava envolvido bastante com o rapaz, o que poderia atrapalhar seu julgamento. Com isso, Nestor assumiu o caso, e já senti uma rixa entre eles. Só que no fim, o fato de OA estar próximo foi o que ajudou Zayne, que acabou por fazer sete pessoas de reféns, com medo do que poderia lhe acontecer. Graças à atitude de OA de entrar lá dentro desarmado, ele conseguiu fazer com que Zayne se rendesse e liberasse as vítimas.

Desdobramentos da missão

No fim, quando tudo deu certo, vimos mais uma interação entre OA e Maggie, e ele percebeu que algo não estava bem com ela. Na verdade, ele não sacou do envolvimento entre a parceira e Nestor, mas entendeu que algo estava errado, e ela acabou desabafado sobre o fato de ter prendido 16 pessoas – mas matado uma, que era namorada de um dos bandidos, e que havia se tornado próxima dela. OA demonstrou compaixão, enquanto Nestor que sabia de tudo, não.

Maggie e Nestor. Imagem: Divulgação.

Então, acredito que o roteiro irá trabalhar nessa separação de personalidade entre os dois rapazes, embora o fato de Maggie estar envolvida com Nestor venha à tona em breve. Certamente, ainda teremos bons desdobramentos desta missão e que poderão ditar o tom da temporada.

No geral, foi um bom episódio, e valeu a pena a espera. E você, o que achou? Deixe nos comentário e, igualmente, continue acompanhando as novidades aqui no Mix de Séries.

  • Além disso, siga nossas Redes Sociais (InstagramTwitter, Facebook).
  • Baixe também nosso App Mix de Séries para Android no Google Play (Download aqui) e fique por dentro de todas as matérias do nosso site.
Nota do Episódio9
Crítica do primeiro episódio da terceira temporada de FBI, intitulado Never Trust a Stranger, exibido nos EUA pelo canal CBS.
9
Tags FBI