Crítica: Desalma, é aposta do Globoplay em terror introspectivo e de visual arrojado

Desalma

Desalma, do Globoplay, aposta em terror introspectivo, lendas, bruxas e visual cinematográfico 

Na esteira dos filmes é séries de terror, cada país tem uma parte para chamar de sua. O Brasil, embora o grande público não perceba, tem forte vertente no gênero. O Zé do Caixão pode ser um dos maiores e mais antigos expoentes, tendo reconhecimento mundial, mas outros outros nomes também se destacam no cenário. Filmes recentes como As Boas Maneiras ou O Animal Cordial mostram uma interessante vocação dos artistas nacionais para o gênero mais assustador do audiovisual. Desalma, nova série do Globoplay, é uma nova experimentação nesse espaço.

Continua após publicidade

A Globo, que não é iniciante no mundo das séries, já brincou com terror em SupermaxA atração, que tinha Cleo Pires e Mariana Ximenes no elenco, agradava, apesar de alguns deslizes. Era uma mistura de ação, suspense e terror que divertia e envolvia do início ao fim. Percebia-se um interesse do canal em dar um passo adiante em produções de gênero, com fortes inspirações estrangeiras. Desalma, que estreia no mês do Halloween, é mais uma aproximação rumo à experimentação. Agora, ao invés da violência do slasher, temos a introspecção do horror moderno, que vem entregando grande obras nos últimos anos.

Continua após a publicidade

Influências são claras em trama que brinca com rituais pagãos e mortes misteriosas

As influência são claras. A equipe cita Ingmar Bergman, mas algumas inspirações são bem mais recentes. Inclua na mistura A Bruxa, de Robert Eggers, Dark, da Netflix, Os Outros, de Alejandro Amenábar e mais o interesse cada vez maior por rituais pagãos e coroas de flores. Com tudo isso na mistura, percebe-se que Desalma tenta uma abordagem diferente daquilo que é visto comumente na televisão aberta brasileira. Temos, aqui, uma interessante confiança no espectador brasileiro, já cansado do mesmo tipo de narrativa e visual. Ao estabelecer um ritmo mais ameno, fotografia “dessaturada” e silêncios constante, o projeto propõe uma nova experiência às audiências nacionais.

Continua após publicidade

Na trama, filmada em grande parte no sul do Brasil, vemos uma família se mudar para uma comunidade interiorana depois que o patriarca morre no local. Lá, encontram parentes do homem e alguns rostos misteriosos, como o da bruxa Haia (Cássia Kis). A cidade de Brígida ensaia a volta de uma tradicional festa eslava, a Ivana Kupala. O problema é que o festival de origens pagãs foi suspenso da comunidade depois da morte de uma jovem em 1988. Hoje, enquanto a população organiza o retorno, novos mistérios e acontecimentos surgem sob o céu cinzento de Brígida.

Desalma
Imagem: Divulgação

Elenco feminino se destaca em piloto que deixa gostinho de “quero mais”

Desalma capricha no visual e estabelece suas três protagonistas de forma rápida e clara. Falta ao piloto, entretanto, uma abordagem mais completiva. Embora o primeiro episódio de uma série seja apenas a introdução de uma longa narrativa, é preciso ter uma experiência minimamente amarrada para que o público consiga estabelecer uma relação com os personagens e a trama. Ao terminar o primeiro capítulo, a sensação é a de que faltou muita coisa para ser dita e mostrada. Este sentimento não é totalmente ruim, pois deixa o público curioso e querendo retornar para os próximos episódios.

Continua após publicidade

Na linha de frente do elenco temos Cássia Kis, no papel da bruxa Haia, Cláudia Abreu, como Ignes, e Maria Ribeiro como a forasteira Giovana. É ela, inclusive, que promete funcionar como guia do público no universo sombrio da história. Vinda de fora, Giovana não conhece a morbidez e os mistérios de Brígida. Diferente de Ignes, que passa seus anos na cidadezinha, enquanto acompanha estranhos acontecimentos ao seu redor. É Cássia Kis, entretanto, que tem o papel mais desafiador: Haia promete levantar muitas dúvidas: seria a bruxa má ou boazinha. Qual o seu papel na sobrenaturalidade de Brígida?

Esperava sustos, recebeu atmosfera densa. Ponto para Desalma.

Desalma, portanto, não é uma série de sustos, mas de atmosfera. Não espere jump scares ou acordes altíssimos da trilha, mas sim uma constante aura de tensão, perigo e mistério. Brígida é sufocante, e os belos trabalhos de câmera, fotografia e direção de arte estabelecem o aprisionamento com exatidão. Todo o capricho parece ter funcionado: Desalma promete conquistar seu público; prova disso é uma segunda temporada já confirmada.

Continua após a publicidade
O MIX DE SÉRIES atingiu 10 milhões de visitas mensais e vamos ensinar tudo que aprendemos nessa caminhada! Aumente o tráfego do seu site com técnicas avançadas de SEO.
Faça seu pré-cadastro aqui!

Desalma estreia em 22 de outubro, na Globo e no Globoplay.

E você, ficou curioso para assistir? Deixe nos comentários e, igualmente, continue acompanhando as novidades do mundo das séries aqui no Mix de Séries.

  • Além disso, siga nossas Redes Sociais (InstagramTwitter, Facebook).
  • Baixe também nosso App Mix de Séries para Android no Google Play (Download aqui) e fique por dentro de todas as matérias do nosso site.