Os detalhes do final de Imperdoável que os fãs não viram

Eis os detalhes do final de Imperdoável na Netflix.

Imperdoável filme Netflix
Continua após publicidade

Em Imperdoável da Netflix, a diretora Nora Fingscheidt tenta iluminar os obstáculos que ex-condenados enfrentam quando tentam entrar novamente em uma sociedade. Desafiando, portanto, as leis e definições aceitas de certo e errado. O filme chegou aos cinemas para lançamento limitado em 24 de novembro antes de entrar no serviço de streaming em 10 de dezembro.

Continua após publicidade

O longa é uma adaptação/versão condensada da minissérie de três partes elogiada de Sally Wainwright, “Unforgiven”. E além de Sandra Bullock, nomes ​​de Hollywood como Viola Davis e Vincent D’Onofrio, bem como a estrela em ascensão Aisling Franciosi (de “The Fall” e “Guerra dos Tronos”) completam o elenco.

Enquanto os primeiros dois terços do filme se desenrolam como um exercício de desenvolvimento de personagens e comentários sociais, o terço final vai para o suspense. Embora tenha recebido mais do que poucas críticas por seu foco confuso e reviravoltas apressadas, o final do filme é intrigante. E traz alguns detalhes que os fãs podem não ter visto.

Continua após publicidade
Continua após publicidade

Imperdoável oferece ao público dois filmes em um

No início do filme Imperdoável, Ruth Slater de Bullock sai da prisão após cumprir 20 anos por matar o xerife Mac Whelan (W. Earl Brown) durante a tentativa dele e de seu oficial de despejar Ruth e sua irmã de cinco anos, Katie, de sua casa. Descobrimos por meio de flashbacks que, com seus pais mortos, Ruth teve que se tornar a cuidadora de Katie. E em sua tentativa caótica e desesperada de impedir que a criança fosse levada junto com sua casa, Ruth tomou uma atitude violenta.

Leia também: A verdade por trás do filme Imperdoável na Netflix

A sociedade é implacável com Ruth, que nunca tenta explicar suas ações. E sua liberação na sociedade é atormentada por abusos, oportunidades perdidas e pré-julgamento de pessoas que nada sabem sobre ela além de sua convicção. Apesar dessas dificuldades, Ruth nunca perde de vista seu único objetivo: se reunir com, ou pelo menos descobrir algo sobre o destino de Katie.

Continua após publicidade
Imperdoavel cena
Imagem: Divulgação.

Eventualmente, Ruth convence o advogado John Ingram (D’Onofrio) a ajudá-la em sua busca para ver sua irmã. Esta, que vive com uma família adotiva desde a condenação de Ruth. Ou seja, ela tem apenas memórias fugazes e incompreensíveis do que aconteceu em sua vida anterior. Quando ela está prestes a ver Katie (pelo menos de longe), Ruth cai em uma armadilha pelo filho do xerife que ela matou anos atrás. Então, o filme muda para o modo de suspense. Embora a premissa esteja um tanto dividida, ambas as metades do filme falam sobre o mesmo assunto

Continua após publicidade

Imperdoável tenta explorar a lacuna racial na simpatia da sociedade pelos condenados

Ao longo do filme, é difícil não ter simpatia por Ruth. Como seu oficial de condicional, Vincent (Rob Morgan) lhe faz um aviso. O de que não importa aonde ela vá, ela não é nada mais do que uma assassina de policiais. Mas, além do fato de que ela foi tratada excepcionalmente mal pela sociedade em sua tentativa de voltar para ela, não há nada nas ações, palavras ou explicação dos eventos de Ruth que realmente lhe valha alguma simpatia.

Continua após publicidade

Leia também: Com Amor, Anônima: a verdade por trás do filme da Netflix

Em vez disso, a disposição do espectador em ficar do lado dela vem de uma combinação da linguagem aceita do cinema – a câmera segue Ruth. Então, é Ruth com quem simpatizamos – e, quer o público queira admitir isso ou não, a percepção de que ela “não parece” um assassina. Em outras palavras, apesar das melhores tentativas do cineasta de fazer Bullock parecer desgastada e áspera nas bordas, ela ainda é Sandra Bullock. Ou seja, uma protagonista branca convencionalmente atraente.

Continua após publicidade
Imperdoavel Viola Davis
Imagem: Divulgação.

Isso não se perde nas intenções da história. Em uma das cenas mais envolventes do filme, a matriarca da família que mora na antiga casa de Ruth – Liz Ingram, interpretada por Viola Davis – chama a atenção para essa empatia injustificada. O marido de Liz, John, é o advogado que tem pena da situação de Ruth. Mas, como Liz aponta para seu marido branco, se o criminoso em questão fosse negro, isso nem seria uma conversa. “Se seus filhos negros estivessem nesta situação”, diz ela, “eles estariam mortos.”.

Continua após publicidade

Embora Imperdoável, infelizmente, nunca abrace totalmente qualquer exploração dessa discriminação, a cena curta atua como uma advertência importante. A primeira metade do filme questiona a relutância da sociedade em permitir que ex-presidiários se reintegrem à sociedade mesmo depois de terem cumprido sua pena. Só que fica claro que mesmo quando essa disposição se manifesta, é quase exclusivamente concedida às mulheres brancas.

Imperdoável gira em torno do ponto que tem que fazer

No final, Imperdoável dá a Bullock e ao espectador uma saída (talvez em seu próprio detrimento). Em outra cena curta demais com Viola Davis, Ruth e Liz entram em uma discussão. E a última se recusa a ajudar a primeira, explicando que ela fez sua escolha. E que é sua própria culpa estar na situação em que está e incapaz de vê-la irmã. Na cena, descobrimos por meio de um flashback que Ruth não matou o xerife.

Leia também: A verdade sobre como Breaking Bad quase foi cancelada

Durante a defesa agressiva e frenética de sua casa, Katie, então com 5 anos, ouviu sua irmã mais velha dizer à polícia que ela tinha uma arma em casa. E que, dessa forma, estava preparada para usá-la se eles entrassem. Quando o xerife conseguiu entrar, foi Katie – não Ruth – quem atirou nele e o matou. Apesar do fato de que nenhum júri em seu perfeito juízo iria (ou mesmo legalmente poderia) condenar uma criança de 5 anos de idade por assassinato, Ruth assume a culpa por Katie. Tudo isso, a fim de protegê-la.

Essa explicação dos acontecimentos convence Liz a ajudar Ruth a chegar ao recital de Katie. E ainda, justifica a simpatia já estabelecida (se não totalmente conquistada) do público. Igualmente, redime Ruth como personagem para qualquer espectador que já não estivesse ao seu lado.

De forma presumida, é a maneira do filme questionar as suposições que fazemos sobre ex-condenados. Principalmente quando não conhecemos todas as circunstâncias ou fatos de um determinado caso. Em vez de abraçar totalmente seu enredo inicial de “simpatia pelo diabo”, o filme dá um grande pivô. Então, a redenção do protagonista não vem de alguma lição aprendida ou de algum grande sacrifício feito. Mas do fato de que ela nunca foi realmente uma assassina para começar.

O sacrifício foi feito anos atrás, por uma irmã carinhosa e superprotetora, apavorada com o que poderia acontecer com sua jovem parente. O filme, tendo completado a narrativa de comentário social de sua primeira parte, então gira mais uma vez. E para em um final que tem menos a ver com redenção e mais a ver com a mecânica cíclica da violência.

Final do Imperdoável divide a diferença em seus temas

A caminho do recital de Katie, Ruth recebe um telefonema de Steve (Will Pullen). Ele é um dos filhos do homem que ela foi para a prisão por matar. Após uma série de eventos que o levaram à ruptura, Steve resolve se vingar de Ruth por matar seu pai. Afinal, em sua mente, isso arruinou a chance dele e de seu irmão na vida. Embora na verdade ele tenha sequestrado a irmã adotiva de Katie, Emma (Emily Malcolm), Steve acredita que sequestrou Katie. Ele atrai Ruth para resgatá-la, onde poderá vingar a morte de seu pai, matando-a.

Leia também: A verdade sobre Chicago Fire que os fãs não sabiam

Em um dos poucos movimentos sutis feitos por Imperdoável, enquanto Ruth está sendo atraída para uma missão de resgate, Katie está sã e salva em seu recital. Lá, ela habilmente aborda uma versão apenas para piano de “Everything In Its Right Place” do Radiohead. Embora a canção deixe-se aberta a uma ladainha de interpretações, está claro que os cineastas se concentraram em como seu título pode servir para pontuar o subtexto de seu final.

Imperdoavel cena
Imagem: Divulgação.

Tudo termina em seu “lugar certo” quando Katie e Ruth se reencontram. E as duas finalmente se abraçam após o resgate bem-sucedido de Emma por Ruth. Mas há uma segunda ideia de “lugar” ou ordem apontada no final do filme. Isto é, que a violência segue (e/ou nasce) da violência. Steve quer matar Ruth, simplesmente porque acredita que Ruth matou seu pai. O fato de os dois personagens terem enfrentado lutas semelhantes ao longo dos anos – e que eles têm mais em comum no que diz respeito às suas circunstâncias geradas pela pobreza do que Steve percebe – deixa de lado sua compulsão de retaliar.

Quer o enfoque dividido no gênero do filme e o enredo acelerado cumpram ou não seus objetivos com sucesso, o final de Imperdoável ilustra sua tentativa de investigar a natureza cíclica da violência. Bem como do encarceramento e a facilidade com que a sociedade ignora esses fatores em seu julgamento preto e branco daqueles que cometem atos violentos.