Para abaixar preço, Netflix poderá ter propaganda entre as séries

Disputa pela atenção do consumidor está cada vez maior.

O Projeto Adam, The Adam Project
Imagem: Netflix / Divulgação
Continua após publicidade

A Netflix vai ‘explorar’ a possibilidade de lançar uma opção de assinatura mais barata, mas com alguns anúncios. As informações são da CNBC.

Continua após publicidade

O anúncio vem após a empresa negar, por anos, que algum dia sequer consideraria a ideia de introduzir anúncios na sua plataforma. Analistas e especialistas, contudo, consideravam a opção inviável. Com o streaming atingindo um nível de saturação, precisa de outros meios de gerar receita e atrair novos assinantes.

Com o desenvolvimento do departamento de games ainda engatinhando, não há outra saída além de recorrer ao mercado publicitário. A Netflix possui hoje a maior base de assinantes, cerca de 221.64 milhões de pessoas, mas precisa correr.

Continua após publicidade
Continua após publicidade

A Paramount Global lançou recentemente no Brasil a Pluto TV, um streaming gratuito com anúncios, sem contar que a Peacock, a HBO Max, a Paramount+ e outros, têm tais modalidades nos Estados Unidos há algum tempo.

Lançamentos da Netflix
Imagem: Divulgação.

Netflix perde assinantes pela primeira vez em dez anos

O reconhecimento de que algo precisa ser feito feito após a Netflix anunciar, na tarde desta terça-feira (19) o balanço do primeiro trimestre de 2022. Os resultados, contudo, não poderiam ser piores. A empresa anunciou sua primeira perda de assinantes em dez anos. As informações são do The New York Times.

Continua após publicidade

Leia também: Todas as séries canceladas pela Netflix em 2022

O mercado, por outro lado, esperava um ganho de 2.5 milhões de assinantes. Em carta aos acionistas, a empresa explica que a queda pode ser explicada a partir de quadro ângulos. 1º) queda do uso de Smart TVs e lenta implementação de banda larga; 2º) compartilhamento de senha entre residências; 3º) aumento da competição das televisões aberta e fechada, além de outros serviços de streamings; 4º) fatores macroeconômicos, como guerra na Ucrânia e inflação generalizada ao redor do mundo.

Continua após publicidade

De acordo com o jornalista Lucas Shaw, da Bloomberg, relatórios da Parrot Analytics indicam que a demanda por originais da Netflix está em constante queda. A explicação é bastante simples: competição.

Continua após publicidade
Inventando Anna

Demanda por conteúdo aumenta

Há um crescimento de interesse por títulos como Ted Lasso, na AppleTV+ e Halo, da Paramount+. Tais plataformas e conteúdos não existiam há cinco anos, por exemplo. Mesmo assim, verifica-se que a empresa vem conseguindo crescer num dos mercados mais competitivos do mundo: Ásia.

Continua após publicidade

Além de tudo isso, o resultado também indica uma saturação do mercado. Há poucos lugares onde a Netflix ainda consegue florescer. A Ásia continua sendo o melhor destino para investimentos, em países como Índia e Coréia do Sul, embora já haja competição da Amazon e da Disney. A China, vale lembrar, continua fechada para esse tipo plataforma.

Continua após publicidade

Títulos em destaque nesse período incluem: O Projeto Adam, a 2ª temporada de Bridgerton e o contínuo sucesso de Inventando Anna. Países onde a Netflix teve crescimento: Japão, assim como Índia e Filipinas.

Meu nome é Bernardo Vieira, sou catarinense e tenho 24 anos. Sou bacharel em direito, jornalista e empreendedor digital. Escrevo no Mix de Séries desde janeiro de 2016. Sou responsável pelas colunas de audiência e Spoiler Alert, além de cuidar da editoria de premiações e participar da pauta de notícias. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.